0
9 In Empoderamento

Thanksgiving: uma atitude de gratidão

A celebração do Thanksgiving entrou na minha vida em 2007 e desde então eu tenho me esforçado para ter a atitude de gratidão todos os dias e momentos da minha vida.

Em Novembro de 2007 eu trabalhava em uma empresa que comemorava o Thanksgiving com uma celebração ecumênica. Nesse ano eu organizei a celebração, os comes e bebes, os horários e os convidados, mesmo sem nunca em toda minha vida ter comemorado o Thanksgiving.

Os celebrantes eram um padre, um pastor, uma cantora gospel, os violeiros e berranteiros da Igreja da Aparecidinha. Em torno dessas pessoas, todos os funcionários dos mais simples aos donos da empresa oraram, cantaram e celebraram a gratidão. Não falamos de denominação religiosa, mas sim de uma atitude de agradecimento por nossa vida.

Eu lembro que me emocionei muito, chorei por algumas vezes e orei muito pela minha mãe e pelo meu pai, que havia nos deixado há pouco tempo.

Naquele ano agradecer estava difícil, o luto, a dor da perda, as dificuldades que se seguiram ainda doíam forte. Foi nessa celebração que eu acredito que eu comecei a me curar. Dei graças de peito aberto por cada momento que eu tive com meu pai e quando um berrante tocava era como se ele estivesse ali comigo, na simplicidade do sertanejo nordestino.

A partir daquele ano, toda última quinta feira do mês de Novembro eu celebro o meu dia de ação de graças e Novembro se tornaria um mês especial pra mim.

Foi em 2013, nos EUA, que eu pude sentir a maior atitude de gratidão no meu coração. Estava viajando por lugares lindos que nunca imaginei conhecer e só havia um sentimento dentro de mim: a gratidão!

Eu pensava em todas as dificuldades que passei na vida, na loucura que a vida tinha se tornado depois da morte do meu Pai. Eu via flashes de como eu havia chegado ali. A celebração do meu casamento e a festa, minha família, meus gatinhos me esperando em casa e eu ficava cada vez mais GRATA e cada vez mais FELIZ!

Eu não conseguia segurar o riso e as lágrimas, por estar muito mais longe onde meus sonhos nunca poderiam alcançar.

O jantar foi em um restaurante simples e maravilhoso, fizemos nossa primeira celebração do Thanksgiving como família.

O dia de ação de graças é um dos dias que me ensinou a parar para orar e somente agradecer por tudo, inclusive pelas dificuldades.

Foi o dia que percebi que a gratidão me dá força!

thanksgiving-atitude-de-gratidao

Como diz a imagem acima: “dar graças sinceramente, não só nos ajuda a reconhecer nossas bênçãos, mas também abre as portas do céu!”

Eu escrevi trechos deste texto em 4 de fevereiro de 2014 às 16:11, minha 1º gatinha a Frida havia morrido. Perder um animal de estimação que foi um elo tão forte de carinho e sentimento de família foi uma dor enorme.

Revisitei esse texto porque precisava me lembrar de agradecer por tudo, até mesmo por um pequeno animalzinho de estimação e sua curta passagem pela minha vida.

Com o tempo eu entendi que até mesmo Frida chegou em minha vida por um propósito e me fez me sentir em casa, ser família.

Hoje, 27 de Novembro de 2014, eu vou celebrar mais um dia de ação de graças ao lado do Excelentíssimo com a nossa família bem feliz, tenho outra gatinha que junto com o Fritz são a alegria da casa.

Completaria 2 anos da Frida conosco nesse Natal – ela invadiu nossa casa mesmo – então para o dia não ser triste ela lá do céu dos gatos mandou a Fia Marie, para me alegrar.

Um update de 2020:

Louvado seja Deus por cada linha que escrevi aqui, não vou apagar nada, nada. É parte de quem eu fui, parte da vida que me conduziu até aqui.

Em 2017 começou um processo de separação, abusivo, violento e longo, que se extendeu até poucos dias atrás, aliás enquanto escrevo ainda espero uma assinatura…

Mas, finalmente pude assinar a passagem derradeira de tudo que restava dos últimos 10 anos da minha vida.

Tudo que ficou de 2017 até hoje foi morte, destruição, indignidade, dor e perda, nada restou mesmo que a burocracia dissesse o contrário.

Por mais que o dia de ação de graças seja um dia de “coisas boas” eu tenho essa estranha mania de agradecer pelo que foi ruim também, por tudo que me destrui (ou tentou) e muito mais pela graça de Deus que me refaz a cada instante.

Passei tanta dificuldade financeira a vida toda, desde o berço, mas, perder todos os anos de trabalho da minha vida, perder casa, carros, a vida que eu tinha… Voltar a morar de favor, dormir no chão, perder emprego, saúde e quase a sanidade mental: tudo isso quase me matou, quase matou a minha fé e minha esperança.

Hoje, me sinto tão fraca por ter sofrido tanto por 3 anos, por ter lutado por algo morto, sem vida, sem frutos.

Mas, o caminho da vida me trouxe de volta, de volta para casa para um lugar de adoração e de ação de graças. Hoje, todos os dias eu tenho muitos mais motivos para agradecer, é por dentro bem na alma que a gratidão começa.

É na dor que nosso coração precisa se deixar mudar para um lugar de amor, de aceitação, de aceitação.

Eu repeti muitas vezes que “o Senhor o deu, o Senhor o levou; louvado seja o nome do Senhor“, mas muitas vezes, por anos, foi da boca para fora.

Em Novembro de 2019, quando saí da casa onde construí e edifiquei um lar eu sabia que nunca mais olharia para trás. Eu sabia que pagaria o preço necessário!

Estou pagando ainda, com todo meu dinheiro, saúde, suor e lágrimas. Mas, a graça de Deus que tudo cura me atingiu.

Hoje não preciso mais esconder que parte de uma história que foi bonita terminou da pior maneira possível. Vivi anos de mentira, abusos, um término violento, cheio de mentiras e que fui roubada e vilipendiada por alguém a quem amei todos os dias que tivemos juntos.

Não há mais vergonha em mim, a verdade é essa. É triste sim, mas não apaga o que vivi.

Minha ação de graças hoje é justamente por isso: o amor não morreu, porque O amor é uma pessoa viva a quem eu chamo de Aba, meu Pai, meu Senhor e meu Deus.

Foi Deus que sempre esteve comigo, desde antes dos tempos, em todas as lutas, em todas as conquistas e que seguiu fiel, bom e poderoso, mesmo quando eu não o via, nem o sentia.

Saí nu do ventre da minha mãe, e nu partirei. O Senhor o deu, o Senhor o levou; louvado seja o nome do Senhor. Jó 1:21

Nesse mesmo 2020, tentaram de todos os modos matar em mim qualquer esperança e mentir a meu respeito de tantas formas, mas tudo bem, não foi por mal… Cada um dá o que tem!

Tem uma música que gosto que diz assim:

Quando fui ferido, machucado, minha raiz cresceu. Quando perseguido, caluniado, minha raiz cresceu,
Quando perdoei e esqueci, minha raiz cresceu. Quando ajoelhei e Te busquei, minha raiz cresceu.

É hoje, louvando em ação de graças que eu sei que minha raiz cresceu, como em todos os processos dolorosos que vivi. Da infância pobre, a perda do meu pai, ao casamento e divórcio: minha raiz cresceu!

Isso responde minhas orações: Finca Senhor minhas raízes em Ti, na graça da fé no invisível e sobrenatural. Finca Senhor minhas raízes onde não há tempo, não há espaço, onde tudo é eterno, onde tudo reflete a eternidade. Que minhas raízes sejam fortes pela Tua força que confunde esse mundo. Dá-me Senhor a graça de viver a esperança da fé até o último suspiro do meu corpo.

Toda árvore boa dá frutos bons, mas a árvore ruim dá frutos ruins. Mateus 7:17

Encerro o texto exatamente como quando ele foi escrito, com a inocência de anos a menos e com a fé de filha pequena e frágil de um Deus que é PAI, ÚNICO e cuja vontade é soberana sobre a Terra!

Percebi que a gratidão me dá força e espero criar em mim, todo dia, essa atitude de gratidão que pode alimentar a felicidade e curar qualquer dor. Espero que essa atitude de gratidão me faça caminhar mais confiante, mais leve, sem amarras ou qualquer sentimento ruim que dure mais que alguns instantes.

You Might Also Like

9 Comments

  • Reply
    Camila Kellen
    novembro 27, 2014 at 6:14 pm

    Que lindoooooo. Tenho certeza que ela vai está ”orgulhosa” por esse texto. Incrível como os animais despertam um sentimento na gente, né? Olha amiga, a gratidão é fundamental. Por mais que eu viva reclamando da vida, dos amigos, da família.. Eu sou grata por ter a chance de passar por todas as experiências. Talvez se eu não tivesse passado, eu não chegaria até aqui, na decisão de criar um blog… Então Obrigada Senhor, por ter me proporcionado esses aprendizados. Um beijo, linda.

    http://www.iamcamilakellen.blogspot.com
    *Rumo aos 200 seguidores

    • Reply
      Elisangela Silva
      novembro 28, 2014 at 10:21 pm

      Camila, penso igual, todas as dificuldades e alegrias nos trouxeram ao que somos hoje <3 obrigada pela visita!

  • Reply
    Jessica (What To Style)
    novembro 27, 2014 at 8:25 pm

    Lindo post! Também acho incrível a celebração do Dia de Ação de Graças! 🙂
    Obrigada por visitar meu blog, volte sempre!

    NEW POST on http://whattostyle.blogspot.com/

    Instagram | Twitter | Bloglovin

    xoxo,
    Jessica

  • Reply
    Thayane Pontes
    novembro 27, 2014 at 8:53 pm

    Eu sempre tive muita vontade de comemorar o Thanksgiving, é uma pena que aqui no Brasil isso não seja uma tradição também.

    http://thayanepontes.blogspot.com.br/

  • Reply
    Mariáh
    novembro 28, 2014 at 4:31 am

    Que lindo Lis! Acho que thanksgiving são todos os dias, todos os dias que abrimos os olhos, todas as noites antes de dormirmos… Devemos agradecer sempre.
    Eu sou luterana e temos essa coisa de ver o lado bom e agradecer sempre muito forte! Não sei como é em outras religiões… Mas cresci sempre com esse seu pensamento!
    Beijos

  • Reply
    alineuz
    novembro 28, 2014 at 2:36 pm

    Ai Lis, que gostoso ler sobre isso!
    Eu agradeço e muito pela vida sempre me colocar pessoas incríveis para conhecer a aprender!

    Beijos, Aline Zambon

  • Reply
    Raíssa
    novembro 28, 2014 at 3:15 pm

    É um evento que poderia muito bem ser comemorado aqui no Brasil também.

    Beeijos, O Outro Lado da Raposa

  • Reply
    A diferença entre gratidão e dívida | Lis.Life | Lifestyle | Girl Power |
    novembro 27, 2017 at 6:30 pm

    […] últimos 10 anos eu celebrei o Thanksgiving com uma atitude de gratidão. Poucas vezes tive a oportunidade de celebrar com um jantar. Na maior parte dos anos me fiz um […]

  • Let's talk!