0
Search results for

casamento

3 In Empoderamento

Zeitgeist, inspiração em altíssima octanagem

Zeitgeist inspiracao em altissima octanagem_Lis Life _ Carreira IT _ Inova

Zeitgeist, inspiração em altíssima octanagem.

Meu primeiro contato com o Romeo Busarello, o Busa, foi exatamente há um mês atrás. Levei um fucking entire mês pra assimilar os impactos da apresentação dele. Por isso, escrevo pra guardar na memória depois de muito pensar.

Pensa num impacto?!? Então guarda essa palavra: Zeitgeist!

A “palestra” dele marcou um mês que começou com propostas tão incríveis que, logo eu, precisava de uma inspiração “divina”. Para ter confiança e dar os primeiros passos de uma nova empreitada…

Na verdade, eu já havia dado o primeiro passo, cambaleante, mas havia… A inspiração divina era mais uma confirmaçãozinha que meu lado crédulo precisava pra manter meu lado cético sob controle.

Sim, nada faz sentido na introdução desse texto, mas vai fazer no final. Vem comigo!

O Busa é um daqueles caras que você vê na rua e saca logo que ele é diferente.

Eu tenho vibe de gente velha, por isso, reconheci logo a energia dele, sabem? Ele tem vibe de gente jovem, enérgica e altamente incômoda.

(Eu pensei incomodadora, mas as palavras que eu invento só fazem sentido na minha cabeça).

O Busa me fez ter vergonha da minha idade mental. O discurso dele incomoda, tanto quanto a energia que me deixou com inveja.

Tudo bem que eu estava sem dormir no dia, era cedo, final da semana, mas poxa ele é mais jovem que eu. Shame on me!

A fala do Busa naquele dia foi um mix de cutucão na costela, com soco no estômago e chacoalhão segurando pelos braços.

Busarello é Diretor de Marketing da Tecnisa. Imerso em inovação, tecnologia e tem uma postura/visão totalmente diferente do esteriótipo dos professores do Insper. Escola que leciona como convidado, assim com a FIA e ESPM.

Apesar das frases prontas, que todo palestrante tem no PPT, o conteúdo por trás do clichê me chamou muito a atenção.

Quando Busarello fala da sua carreira, família, escolhas e, principalmente, da sua postura, é diferente de todos os diretores que ouvi nos últimos anos.

Das frases impactantes e do comportamento por trás delas, eu destaco algumas:

“Saio todos os dias para o trabalho com o currículo debaixo do braço”.

Ele explica que ser diretor não é um ponto de chegada, nem local de descanso, pelo contrário! Com pouco mais de 17 anos a frente do Marketing da Tecnisa ele não se sente nem perto de ser “indispensável” para a empresa.

Olha que ele é membro do board, é diretor! Ou seja: ele paga a conta e nem por isso se acomoda no “job title” pra não se atualizar.

Seria só um discurso bonito se ele não provasse durante toda a apresentação que ele se atualizou (e muito). Ele passeia bem por temas tão recentes de tecnologia que nem artigos publicados existem!

Convenhamos! Diretores e gerentes que dominam os assuntos do momento pelos links do Linkedin, tá cheio né?

Zeitgeist inspiracao em altissima octanagem_Lis Life _ Carreira IT _ Inova_Romeo Busarello

“Muita conversinha e pouca conversão”

Com um tom de voz quase tão irônico quanto maldoso, o Busa disse:

“Você não é criativo, você não é inovador, sua ideia não é nada. Se não traz resultado é só conversinha, nome bonito pra pouca coisa”.

Na hora lembrei dos inúmeros “líderes” de inovação que se vendem montando sala de design thinking sem nem saber o que é, como faz e etc… Eita, que nosso mundo de inovação em TI, Marketing e whatever tá cheio de nome bonito sem aplicação prática.

É muito discurso e pouco retorno.

Tenho certeza que muito profissional/empresa que se vende como blá blá blá “digital transformation” deveria se envergonhar de colocar isso no Linkedin.

Digo por mim também, viu? Passei o último mês recapitulando ações “inovadoras”, ideias e vendo o quanto de resultado obtive, ou não, com elas para as empresas por onde passei.

“Mantenha o Zeitgeist”

Zeitgeist inspiracao em altissima octanagem_Lis Life _ Carreira IT _ palavra

O termo se traduz como espírito da época, espírito do tempo ou sinal dos tempos. A vibe, a perfomance e o discurso do Busa desenham bem o que é o Zeitgeist.

Cursos aleatórios, passeios, co-working e muita curiosidade focada em absorver conteúdo útil, Busarello destacou o que faz para manter esse espírito.

Cheguei a conclusão que manter o espírito do seu tempo é mais do que se atualizar profissionalmente. É abrir a mente, evoluir com o mundo e como pessoa no mundo. É viver a mundança como protagonista dela em todas as áreas da vida. Porque não existe mais essa do “excelente profissional” que é um merda na vida, uma hora a conta não fecha!

Quando isso não acontece é o que o Busa exemplificou como sendo o comportamento de executivos, gerentes e coordenadores que destoaram o conhecimento técnico das habilidades pessoais de adaptação, mudança e desenvolvimento.

Aliás, outra provocação ótima do Busarello é:

“Mudança de cultura ou cultura de mudança”

Passamos da era onde a mudança é algo 100% planejado e que ocorre aos poucos com uma transição linear em um Project.

Aliás, isso funcionou em algum momento? Pergunto porque na minha experiência a era da mudança de cultura sempre foi muito papo e pouca realidade. Não sei…

Agora, a mudança tem que estar no DNA das pessoas e empresas. Assim como inovação, criatividade, empatia, transparência, ética e tantas outras coisas… Que no passado ficavam fixadas nas paredes como “missão, visão e valores”, mas não refletiam no comportamento de líderes e pessoas.

A mudança precisa ser respirada por todos com adaptabilidade e flexibilidade de processos. Ser condizente com profissionais e perfis alinhados que tenham postura para lidar com esse cenário. É isso que faz uma empresa viver a cultura de mudança que vai determinar sua longevidade nessa era.

Se me falassem só o cargo do Busarello, vice-presidente da Tecnisa, eu imaginaria um senhor de terno e com a típica postura shark tank de ser. E claro, teria ido lá com os dois pés atrás.

Como eu cheguei no workshop sem saber nada sobre o evento, nem sobre ele, uma outra frase me deixou bem feliz.

“A era dos Tubarões no mundo corporativo acabou!”

A postura das lideranças deve ser colaborativa, aberta para aprender e se manter em constante evolução pessoal e profissional.

Chefes/empresas-tubarões vão ser engolidos por profissionais/startups-cardumes. Já temos algumas amostras no mercado com Spotify, Netflix, Facebook e etc..

O Busa diz que para o mercado, em idade, ele é “velho” para estar a frente do Marketing e Inovação de uma empresa.

Comparando com líderes jovens, a postura, mentalidade e a capacidade de adaptação dele. Somados a experiência profissional e de vida, o colocam numa posição que muito gestor novinho não vai atingir nunca.

Ou vai ralar muito a bunda no chão pra conseguir.

No mercado/mundo atual, bons profissionais buscam por “meaning” e não somente “money“! O líder/empresa vazios, com muito discurso e pouco conteúdo tendem a ser engolidos ou tropeçar no próprio ego.

De modo bem pessoal, me identifiquei com a faísca que o Busa mostrou da jornada da sua vida. A busca por evolução pessoal, os conflitos que ele fala por alto e com delicadeza. Sobre levar anos para ir “pra cama” como pessoa física e não mais jurídica. Sobre sua família e sobre a importância dela e o que define o sucesso para ele ser o casamento, os filhos, a vida fora da empresa.

A frase que ele repete várias vezes:

“Não se apaixone pela meretriz”

e o contexto de “não se perca no caos” é um choque de realidade pra quem está crescendo na carreira. Pra mim, foi um abraço na alma por saber que meu caminho sempre esteve certo, mesmo na contramão.

“Não se perder no caos é sempre estar atento aos 4 S da vida. Sobrevivência (até a faculdade), sucesso (construção de família, carreira, receitas), significado (vida com qualidade) e sossego.

Para nós [profissionais de marketing, tecnologia e inovação] isso é fundamental. Principalmente, cuidar da segunda etapa da vida. Quando um CMO/CTO já não é tão atraente aos 50 anos… Assim como um jogador de futebol ou uma modelo”.

Do texto do Projeto Draft sobre uma aula do Busa.

Ah! Aqui eu completo com o famoso termo que ele cunhou:

“Hora-bar”.

A vida além dos happy hours “da sujeira” do mundo corporativo.

Ele fala para termos mais hora-bar entre equipes e empresas. Aproveitar momentos de descontração com foco em criar laços, conhecer ideias, compartilhar histórias. Conhecer pessoas e formar uma sólida rede de contatos.

Mas, antes que eu levantasse da mesa enjoada, ele completou, ufa!

“Hora bar não é oba-oba (vulgo putaria) é hora-bar com gente que acrescenta, senão é perda de tempo. Não se faz hora-bar com todo mundo o tempo todo.”

Hora-bar só serve se for pra somar alguma coisa, na sua vida e dos outros!

Não é todo mundo que tem postura e maturidade pra lidar com o crescimento da carreira, com mil oportunidades a sua frente e que sabe fazer do happy-hour uma hora-bar produtiva para usar o tanto de novidade que nosso mercado tem…

Ainda bem! Sobra mais oportunidade pra quem é bom de verdade mostrar a que veio nesse mundo.

Os universitários que criam start-ups na mesa do boteco provam isso! Falarei de uma start-up que nasceu assim no próximo texto sobre Carreira aqui!

O problema não é o happy-hour é você perder a vida nele 😉.

No final, perguntei, como é lidar com conflitos de valores pessoais e morais (conflitos internos) numa posição hierárquica tão alta.

Na lata, ele disse:

“Quanto mais você sobe, mais sujeira você vê, mais gente podre se aproxima. O jeito é não se perder do que é essencial. Saber ponderar as situações sempre olhando para o que tem mais valor na sua vida e na empresa. Muitas vezes, você vai ter que tomar decisões dolorosas, amargas. Mas, sendo a melhor decisão você toma com coragem e segue.”

Me fala se essas frases não chutam nossas bundas e fazem o “pense fora da caixa” ser muito mais amplo? Pra mim, fez todo sentido!

Clique aqui para ler mais sobre o Romeo Busarello e, aqui tem artigos assinados por ele na Endeavor.

Renovei meu Zeitgeist com uma ponta de fé no futuro do mundo corporativo.

O Busa quase foi padre, eu quase fui freira… Foi por isso, também, que bateu uma sensação de me abraça aqui e obrigada pelos sinais Universo!

0 In Estilo de Vida

Quase um dia em Joinville: uma parada rápida demais

Um dia em Joinville

Nem posso chamar esse post de roteiro de um dia em Joinville!

Foi uma noite e meio dia que, deixaram um gosto de quero mais. Mas, depois de visitar Morretes e Antonina, seria muito cansativo seguir viagem direto.

A parada estratégica foi um dia em Joinville e, apesar do pouco tempo, fiquei encantada.

Desse um dia em Joinville só tenho boas impressões.

O clima estava ótimo, a cidade tem uma estrutura de turismo excelente e meu passeio inicial, foi para comer, óbvio!

O destino certeiro era a via gastronômica com opções de pubs e restaurantes de todo o tipo. Fui a pé do hotel e achei a região vazia, por ser um centro de cidade.

A via gastronômica fica perto do Shopping Muller. Pra quem não quer arriscar o shopping tem uma arquitetura linda, opções de lojas e restaurantes famosos.

Pela manhã fui conhecer a Rua das Palmeiras e visitar o Museu Nacional do Imigrante.

Um dia em Joinville - Rua das Palmeiras

Na Rua das Palmeiras eu bem que tentei usar o tripé para fotos (com as Palmeiras), mas não foi uma boa ideia.

Essa moça atrás de mim na primeira foto sentou exatamente onde eu havia posicionado a câmera, ficou ali e nunca mais saiu (tava fazendo stories/selfie) aí eu desisti das fotos.

Tá vendo como eu não tenho talento pra ser blogueira? Paciência zero!

Acima a foto do busto da Princesa Francisca Carolina Joana Leopoldina Romana Xavier de Paula Micaela Rafaela Gabriela Gonzaga de Bragança (ufa). Ou só Dona Francisca. A escultura de Fritz Alt foi criada em 1926 e precisou ser restaurada depois de sofrer vandalismo, mas retornou a praça presenvando suas características originais.

A região onde hoje é Joinville fazia parte do dote que foi dado por ocasião do casamento da Princesa Dona Francisca com um Príncipe Francês, vale a leitura na Wikipédia.

Um dia em Joinville - Museu do Imigrante

No Museu Nacional do Imigrante eu fiz uma tour VIP, por que o museu estava vazio. O guia contou histórias, explicou muito não só sobre o museu e o acervo como também sobre a colonização de toda a região.

O museu tem quatro grandes casas que remonta a vida dos imigrantes com os objetos históricos, a tecnologia, os transportes e tudo o mais próximo possível da época da colonização.

Me apaixonei pelos quadros e bordados com frases e poemas em alemão e pela estrutura charmosa das casas de enxaimel.

Fiquei encantada com a preservação dos móveis e do chão da antiga casa de enxaimel que foi instalada ali manualmente.

Clique nas fotos para ver em tamanho ampliado:

Segui para o Mirante da Boa Vista, já que não consegui subir na Torre Panorâmica de Curitiba.

O Waze me mandou pra dentro de um bairro, com rua de terra e não achou a localização do Mirante.

Um morador do local que me orientou a colocar no GPS como Torre da TV.

Um dia em Joinville

Rua sem saída onde o Waze achou que era o mirante!

A pontualidade do ônibus turístico que leva até o Mirante impressiona. Dá pra subir a pé, mas no calor que estava eu nem cogitei. Dentro do Parque do Mirante ainda tem o Zoobotânico, que fiquei com vontade de visitar.

Um dia em Joinville - Mirante

Depois de esperar no ponto de ônibus com essa vista agradável (acima), contemplar a vista do Mirante foi recompensador!

Um pedido aos pais que forem ao Mirante de Joinville com crianças pequenas: segurem na mão das suas crias. Sério! O Mirante não tem redes de proteção nas escadas e nem no parapeiro, dá um medo danado ver uma criança correndo por ali.

Eu quase segurei na mão de um menininho que estava com o pai e o irmão, mas que dava um baile no pai e saia correndo como doido. Só não quis fazer a louca, né? Mas, fiquei com medo por ele.

Continuei a viagem depois de almoçar as tradicionais empadas Jerk, para ver minhas avaliações de locais durante a viagem confere meu perfil no TripAdvisor!

Joinville é uma cidade encantadora e que não perdeu os ares de cidade pequena. Mantém uma arquitetura preservada e misturada com prédios modernos.

Como sempre, a Paulista aqui se impressiona com cidades limpas de verdade. Mais uma cidade organizada e onde todo mundo pára na faixa de pedestres.

A cidade me lembrou muito Blumenau no seu “jeitão”.

Joinville, preciso te conhecer melhor, viu?

8 In Empoderamento

5 TED Talks para inspirar!

5 TED Talks para inspirar sua vida

TED talks são palestras curtas feitas por personalidades das mais inspiradoras possíveis ao redor do mundo.

Se você busca conhecimento e auto melhoramento contínuo TED Talks são uma excelente ferramenta. Além de temas como ciência, tecnologia, comunicação e psicologia, os Talks ainda trazem histórias de vida reais e inpiradoras.

Cada pessoa vai assistir e tirar proveito do conteúdo de acordo com sua vivência, crenças e maturidade. Eu, por exemplo, já assisti esses mesmos Talks várias vezes e ainda me surpreendo com o que retiro de cada um deles.

Sempre que busco esse tipo de conteúdo tento fazer um paralelo com a minha vida, com situações que vivi e tento analisar onde posso amadurecer a partir desse conhecimento.

Essa lista é o top five TED Talks que mais me tocaram nos últimos tempos.

São os que eu assisto para reforçar ideias que me inspiram e me colocam em movimento!

We should all be feminists – Chimamanda Ngozi Adichie

Se você ouviu a música Flawless da Beyonce deve ter decorado a frase: “Feminist: a person who believe in the social, political and economic equality of the sexes”, que é um trecho dessa palestra.

Constantemente, associam algum comportamento meu ou minha personalidade com o termo feminista. Sempre ouço comentários negativos sobre “quando baixa a feminista cangaceira” em mim. Em geral, vem como ofensa de algum homem com o ego fragilizado pelo meu comportamento…

Hoje quando assisti pela milésima vez esse vídeo eu lembrei que essas são algumas das as melhores características do meu comportamento. Exatamente as que me fizeram chegar até aqui, contrariando as estatísticas.

Como Chimamanda explica no vídeo, a criação dos homens dá “por direito” à eles satisfações e pretextos tão ridículos que oprimem eles mesmos. Moldam desvios de caráter no comportamento masculino que acabam oprimindo mulheres, mas também, homens. São comportamentos que parecem pequenos, mas que são tão enraízados na sociedade que moldam a cultura de opressão que afeta a forma como homens e mulheres são educados.

Exatamente por isso, todos deveríamos ser feministas!

Toda vez que assisto essa palestra eu me lembro que tenho que lutar muito, todo dia, só por ter nascido sob o gênero feminino da moeda. Já assisti milhares de vezes, mas assisto de novo e de novo! Para me lembrar da raiva e da não conformismo que é preciso ter para não me curva e criar um mundo melhor pra Isa e para as mulheres que virão depois de mim.

“Você pode ser ambiciosa, mas não muito. Você deve desejar ser bem sucedida, mas não muito. Caso contrário, você vai ameaçar os homens.
Se você for o arrimo em seu relacionamento com um homem, você tem que fingir que não é, especialmente em público ou você vai “castrá-lo”.
Porque sou do sexo feminino, esperam que eu almeje o casamento, esperam que eu faça as escolhas da minha vida. Mas, sempre tendo em mente que o casamento é o mais importante. O casamento pode ser uma fonte de alegria, amor e apoio mútuo. Mas, por que ensinamos as meninas a ansiar ao casamento e não ensinamos a mesma coisa para os meninos?
Criamos as meninas para serem concorrentes. Não para empregos ou para conquistas, o que pode ser uma coisa boa. Mas, para disputar a atenção dos homens!”

My philosophy for a happy life – Sam Berns

Assistam! Assim no imperativo. É um talk rápido, com uma fala simples e leve.

Sam traz lições que eu, constantemente, preciso me lembrar para não me deixar abater pela negatividade na dificuldade.

Ele abre com a frase: “a vida passa muito rápido. Se você não parar e olhar ao redor, de vez em quando, você pode perdê-la”.

Tem feito muito sentido na minha vida pensar desse modo. Tenho reconhecido muito mais felicidade no meu caminho, mesmo em meio as dores.

Nunca houve em mim uma busca pela felicidade externa, padronizada ou inatingível. Mas, já tive meus momentos de cegueira onde não vi a felicidade genuína presente na minha vida.

Pra mim, a grande lição aqui é a simplicidade de viver o melhor que se pode aceitando as dores e delícias da vida, como gosto de dizer. Vivendo e estando de fato presente é possível manter a firme esperança de que, em pequenas coisas, a vida se faz plena, mas não perfeita.

Associo essa filosofia ao texto que postei no stories essa semana:

Se as pessoas se separam tem uma série de incovenientes, se as pessoas não se separam tem uma série de incovenientes. Se as pessoas ficam juntas, tem algumas vantagens, se as pessoas não ficam juntas, também tem vantagens.

Qualquer opção é sempre uma opção dentro do samsara. O samsara é caracterizado por: tem algumas coisas das quais eu gosto, tem algumas coisas das quais eu não gosto, a gente quer o que gosta, não quer o que não gosta. Isso é o samsara. Não temos possibilidade de obter êxito nisso. Porque aquilo que a gente quer e parece favorável dali a pouco apresenta problemas. E aquilo que a gente não quer é desfavorável, é penoso, mas dali a pouco apresenta algumas vantagens. É assim. É melhor desistir disso. Não criticar o samsara. O samsara tem essa característica. – Lama Padma Samten.

Become who you really are | Andrea Pennington

O pior momento da minha vida foi quando eu percebi que as frases: “Podemos ser funcionais, mas não estamos realizados. Podemos ser bem sucedidos, mas não estamos satisfeitos” descreviam a minha realidade.

Eu já conhecia esse TED Talks e já havia tido as minhas experiência com fundo do poço e grandes adversidades. Mas, pouco tempo atrás o fundo do poço ficou mais fundo. Não por erro meu, mas por que alguém foi lá e cavou. Entendem a metáfora?

Revendo essa palestra eu encontrei o entendimento para a sensação de vazio, de falta, que eu vivi por algum tempo e que preencheu uma relação que era boa, mas se tornou ruim com o tempo.

Foi refletindo sobre ser eu mesma que comecei a ver que eu não tinha culpa elo que estava acontecendo e encontrei algumas respostas valiosas até sobre o comportamento alheio.

Esse vídeo é um super material de apoio para a terapia, viu? Mas, te adianto que pode ser um tanto too much autoajuda para pessoas céticas, como eu 😀

How to stop screwing yourself over | Mel Robbins

Eu resumo meu mantra motivador da vida com: faça o que tem que ser feito! Começo meus dias, bons e ruins, repetindo esse mantra.

Nesse talk Mel Robins soma a energia de “comece a fazer o básico”, ao comportamento adulto que é preciso ter quando se é um adulto (oras) e a outros comportamentos que ela vai explicando com bom humor.

Ela fala tudo com uma clareza hilária e dá tapas na cara do nosso comodismo. Todos os pensamentos desse discurso vem de encontro a minha crença de que o que estraga a nossa vida somos nós mesmos, com o nosso comportamento.

The Secret of Becoming Mentally Strong | Amy Morin

Todos os pensamentos desse TED podem ser aplicados em tantas áreas da nossa vida, tantos comportamentos, que nem sei numerar.

Amy começa explicando que o preço dos nossos pequenos hábitos/atitudes é o que rouba nossa saúde mental e emocional.

O que mais me tocou nesse TED Talks foi a história pessoal de Amy. Ela relata uma situação extrema da vida onde ela viu que ter bons hábitos/comportamentos não era o suficiente. Eu passei por alguns processos doloridos e tive as mesmas constatações.

Se manter de pé, fazendo o que é preciso ou até mais que isso, às vezes, não é o suficiente. É preciso ter força de não alimentar o que nos faz mal para nos mantermos fortes nos momentos mais necessários.

Ela explica que o segredo para ser mentalmente forte é abandonar de vez os pequenos mau hábitos, mau comportamentos, desde os menores e imperceptíveis que nos seguram no lugar que estamos ou nos fazem retroceder.

O top five mais autoajuda ever, eu sei!

Essa lista é bem pessoal e fala muito dos momentos recentes da minha vida, de coisas que superei ou não. Mas, cada um desses vídeos me ajudou tanto, que fazer esse compilado é uma forma de não esquecer os aprendizados.

Por mais que sejam simples a gente precisa desse reforço, né?

 

TED  é uma organização sem fins lucrativos que defende as “ideias que merecem ser compartilhadas”. Há 26 anos as conferências TED dão espaço para ideias que tem impacto positivo na sociedade; os eventos sob o nome TEDx são a versão independente e licenciada do TED, são eventos locais que reúnem um número limitado de pessoas para compartilhar experiências. TED é a abreviação de Technology, Entertainment and Design, mas os assuntos abordados nas TED Talks vão muito além disso.

 

0 In Empoderamento

Autoestima e pensamento: duas forças!

Acontecimentos completamente aleatórios da minha vida me mostraram que autoestima e pensamento são forças que posso usar para me mover em tempos difíceis.

Uma reflexão das coisas loucas que acontecem na minha vida e que poderiam ser enredo de uma novela mexicana, mas que fazem sentido na minha jornada pelo auto conhecimento.

No primeiro acontecimento, eu havia começado o tratamento de disfunção da hipófise. Dentre outras coisas, essa disfunção piorou os meus, já graves, problemas hormonais. Ganhei peso, diabetes, um cansaço extremo, dores e me sentia muito triste o tempo todo.

Eu não me reconhecia e senti raiva do meu corpo, daquele cansaço absurdo, do sono infinito, da falta de paladar e da fome gigantesca. Odiava o fato do meu corpo ter uma doença invisível e que me paralisava.

Afinal, quem poderia parar um terremoto humano como eu, se não o meu próprio corpo? Quem poderia boicotar a pessoa mais sangue nos olhos que eu conheço se não a minha própria cabeça?

Tive raiva de mim.

Com a saúde debilitada a cabeça estava indo pro mesmo caminho, mais um bônus dos hormônios… Tive sorte* de encontrar bons médicos que me apoiaram no processo e comecei a busca pela saúde perdida.

Num dia de muita espera nos médicos,  por sorte*, cai num post no Facebook sobre um ensaio fotográfico que aconteceria em São Paulo. A organização era de duas minas que queriam oferecer os ensaios, num valor acessível, só para outras minas.

Eu estava trabalhando no layout do blog (esse aqui que vocês vêem e que eu fiz 95% sozinha) e queria fotos mais bonitas para usar.

Fui lá e fechei… Não pensei em como seria e na hora nem lembrei de como estava minha relação com meu corpo.

Avança para seis meses depois.

Fiz aniversário, a luta com a saúde continuou, descobri adenomas na tireoide que pioram os sintomas da disfunção e tive uma crise de hemorragia uterina disfuncional. Tudo ao mesmo tempo e sem poder usar minha conta bancária, me senti impotente e repensei sobre como ser independente é mais hard do que parece.

Um dia, ao tentar me arrumar pra seguir me arrastar pela vida eu percebi que não tinha mais base em casa e desatei a chorar.

Sério, chorei por conta de uma maquiagem.

Eu uso maquiagem todos os dias e amo, mas com a grana apertada, fodida da vida e com a vida, precisando comprar maquiagem? Puta que me pariu, Lei de Murphy!

Por sorte*, o bloguinho me dá acesso a informações bem legais e nesse mesmo dia recebi um e-mail falando que uma maquiadora da Revlon estaria numa loja perto de casa e a marca tinha anunciado uma diminuição nos preços do produtos.

Eu fui, nem lembrei que eu passaria por um trajeto emocionalmente difícil e todos os outros poréns que eu sentia comigo.

Nas duas ocasiões, eu sentei numa cadeira e deixei alguém olhar bem de perto pra minha pele machucada pela acne hormonal, ver minhas olheiras aumentadas pelo cansaço, meus olhos fundos…

Parece idiota, mas isso me deixa super desconfortável, pra dizer o minímo, ainda mais naqueles momentos de fragilidade.

Na sessão de fotos, a Dani Cruz me maquiou e eu precisei deixar a Bruna Ferreira olhar para os ângulos do meu corpo e captar de mim uma beleza que eu mesma não via.

Não cheguei lá com pretensão de ser a Gisele, mas eu estava um caco, meu corpo estava um trapo, então como poderiam ficar as fotos?

Eu não via em mim alguma coisa bonita para ser retratada, mas eu estava lá!

No dia do shopping, a Karol Ortiz me tratou tão bem que eu me senti importante e especial, como há anos não me sentia.

Fiquei sentada, conversando como se nada estivesse acontecendo na minha vida, como se eu não estivesse sangrando por dentro.

Eu não esperava dali nada além da base na cor certa, sabem? A vida já tava uma merda, eu só não queria parecer um Oompa-Loompa.

Mas, o primeiro passo foi criar coragem e ir.

É muito comum, quando não estamos bem conosco, nos paralizarmos em coisas, até que pequenas, como ir ao shopping.

Tirar uma pausa e nos dar um tempo no meio do turbilhão, é normal, tá? O que não podemos é permitir que a falta de autoestima ou nossos próprios pensamentos nos paralisem e impeçam de nos colocarmos em movimento.

Comecemos pelos pequenos momentos, aqueles que não nos damos conta na maioria dos dias. Um passo depois do outro, mas nos movimentar é essencial até para nossa sanidade mental.

No meu caso foi uma sessão de fotos onde ninguém me conhecia e uma ida ao shopping.

Mas, conheço relatos de várias mulheres que deixaram de se colocar no mundo por conta da baixa autoestima. Deixaram de ir à festas, sair com as amigas e até buscar os filhos no colégio.

O tomar coragem, tentar, enfrentar, por a cara na rua, é um exercício diário. Não que seja fácil, mas só traz benefícios ou, pelo menos, experiências.

Vai lá e faz!

Outro passo importante e bem mais complexo pra mim: estar presente.

O estar presente me força, quase que automaticamente, a me abrir para as situações.

Foi me vendo pelos olhos da Bruna, com a ajuda da Dani, e pelo olhar da Karol que eu saí dessas experiências me sentindo melhor comigo mesma. Não pela maquiagem ou pelas fotos mas, por ter me permitido viver aqueles momentos.

Eu estive presente e me abri, sem que ninguém soubesse das minhas lutas, me distraí do meu momento. Durante algumas horas eu me permiti tentar esquecer da dor que sentia e controlei meus pensamentos sabotadores.

Quando me isolo nos pensamentos de insegurança ou tristeza, eu não me abro para o momento e para os outros.

Talvez você pense que por não me abrir, muito provavelmente não vou me machucar ou ter minha autoestima abalada. Eu concordo, embora não tenha garantias. Mas, me fechando não vou sentir o que a atenção genuína e a entrega real aos momentos pode fazer por mim.

Se eu deixo que pensamentos de tristeza ou autocrítica falem mais alto na minha cabeça dificilmente eu vou estar presente para viver momentos que são únicos: encontros, conhecer novas pessoas, uma entrevista de trabalho ou reuniões de família.

Estar presente pode e deve ser seletivo!

Por exemplo, quando estou com pessoas que EU SEI que são maldosas ou me julgam, eu desvio o pensamento para me blindar. Não permito que minha cabeça fique em looping eterno de críticas, questionamentos, inseguranças e etc.

Tento substituir esses pensamentos repetindo o mantra foda-se não importa a opinião do outro, eu sei das minhas lutas e sei quem sou. Eu busco também me lembrar de qual o objetivo daquela situação e o que é essencial pra mim em cada momento.

Se precisar ainda faço orações e mentalizações, porque a fé é um bom escudo de proteção.

O mundo já nos pressiona demais, por isso todos os dias tento ignorar meus pensamentos excessivos de irritação e os julgamento. Me esforço para calar a minha mente, equilibrar o que eu penso de mim para não me sufocar.

Meditação, terapia, espiritualidade e bons hobbies são aliados na minha busca.

Em geral, o que de melhor eu posso fazer pela minha vida é viver o momento presente, expirando e expirando para não pirar.

Talvez tudo isso te pareça bulshitagem, mas melhorar a autoestima depende do nosso cuidado mental e emocional, mais do que cuidado físico.

Por isso eu proponho que você faça coisas simples como exercícios práticos para domar o pensamento e autoestima:

  1. Vá numa loja de maquiagem, peça uma maquiagem básica de mostruário. Ou pede pra uma amiga te maquiar, mas que seja alguém te maquiando. Depois coloca uma roupa bacana, uma música, abre um vinho e vai pra frente do espelho. Se olhe mil vezes, faça selfies, encha o Instagram de stories, look do dia, whatever… Fale para você mesmo palavras de apreciação, permita se ver produzida e se amar.
  2. Escolha um dia comum, até inusitado. Faça um ritual, um banho demorado, coloca uma roupa que você gosta, seu perfume e se arrume do jeito que você mais gosta. Saia com as pessoas que mais te fazem bem, esteja mesmo que por skype ou só de passagem com alguém que te faz bem. Sorria e esteja presente. Permita-se esquecer dos pensamentos, foque em estar ali.
  3. Faça, se puder, um ensaio fotográfico sem motivo. Não conta ensaio de casamento, gestante e etc. Tem que ser um ensaio seu e para você, pode ser sensual ou casual. Permita-se ter um registro de quem você é hoje, do que você vive e essas memórias vão te fortalecer no momento certo.

Todos os dias se desafie a não desistir de fazer coisas por insegurança, por medo da dor ou pelas lembranças das frustrações do passado. Se desafie a se colocar do seu melhor modo no mundo, mesmo que o seu melhor seja com dor, cansada, um caos… Desafie-se a se vencer!

É nessa energia de foco e faca na caveira que eu me apoio quando a coisa fica insana e a cabeça começa a pirar, aos poucos que crio minha blindagem emocional e mental.

Com esses dois acontecimentos simples eu entendi como a força do pensamento e a autoestima caminham juntos na minha evolução.

Foram muitas sessões de autoanálise para reconhecer a riqueza dessas duas experiências e como me senti depois delas.

Hoje, me olho nessas fotos e vejo que mulherão da porra que eu sou. Exatamente por que, apesar de tudo que eu estava vivendo eu não me deixei abater. Não deixei nada me parar, nem mesmo minha saúde, minha cabeça, meus medos.

Dou graças pelo sofrimento e por esses aprendizados em coisas tão pequenas, vai ver tudo isso e a sorte* que me colocaram nesses acontecimentos foi alguém lá de cima do Universo querendo me dar um refresco, né?

Nada acontece por acaso e eu sou uma pessoa de fé. 🙂

Uma observação; Fiz questão de citar a marca da maquiagem por que tenho uma relação emotiva com ela. Da infância pobre, de quem começou a trabalhar com 11 anos de idade, mas só foi ter a oportunidade de se dar algumas pequenas coisas aos 18 anos eu faço questão de manter algumas memórias bem vivas, como conquistas mesmo. Eu sempre tive alergia a alguns componentes de maquiagem e Revlon foi a primeira marca de produtos importados que eu me dei de presente na vida.

 

1 In Estilo de Vida

Parrilla Del Carmem: carnes especiais no ABC

Parrilla Del Carmem - ambiente

Eu amo a região que moro em Santo André, é sem dúvida a melhor da cidade. Tenho tudo há poucos minutos de caminhada e eu sou frequentadora assídua do comércio local.

O restaurante Parrilla Del Carmem não é novo, mas levei dois anos morando no bairro para ir conhecer.

O lugar fica ao lado da clínica de estética que frequento há 8 anos! Mas, quase sempre, eu esquecia dele na hora de escolher onde jantar.

Não que não merecesse minha atenção, mas no quesito carnes nobres eu tenho o padrão Templo da Carne como favorito.

Escolhi o Parrilla Del Carmem para um jantar que não seria tão agradável quanto o local.

Mas, eu acredito que tudo regado a vinho e comida termina bem.

Foi uma quinta-feira a noite e, mesmo tendo evento no andar superior, o salão principal estava vazio. O que facilitou a conversa durante o jantar e o atendimento.

A decoração é simples, rústica e aconchegante. Um clima quentinho dos tons terrosos e a luz baixa harmonizam com a expectativa de boas carnes na brasa.

O atendimento foi ágil e muito cordial, teve paciência graças a só seis mesas com clientes. Para quem está conhecendo uma casa é sempre melhor esses dias de menor movimento. Eu pude perguntar características da casa, sobre o dono, sobre o cardápio e o garçom respondeu tudo com um sorriso.

Eu já sabia que o grupo Parrilla Del Carmem tem uma rede de açougues e um empório de carnes especiais na Rua das Figueiras. No próprio restaurante eles ministram cursos de churrasco, que muito me interessa. Preciso saber usar a churrasqueira daqui de casa, de churrasco eu só sei comer mesmo.

O cardápio é bem completo, de saladas a massas e tem carnes em três opções: nacional, Wagyu e argentino. A carta de vinhos é bem selecionada, com bons achados e garrafas de 375 ml a 750 ml.

Nas opções de taças são ofertados dois vinhos apenas, mas em garrafas a variação é respeitável.

Eu dispensei o couvert de queijos combinados com molhos e fui direto para as entrdadas. O que me chamou atenção foi variedade e versatilidade de pratos “iniciais”. Além de pratos de entrada, ainda tem tapas, achuras e saladas, para abrir o apetite.

Escolhi um carpaccio de rosbife Wagyu com molho de alcaparras e mostarda Dijon. Uma entrada satisfatória para duas pessoas, nada pesado, mas saboroso. O carpaccio bem fininho com molhos que casam bem com a carne suculenta do Wagyu.

 

O prato principal foi bife Ancho de Angus Uruguaio que era a sugestão do Parrilleiro no dia.

Parrilla Del Carmem - PRATO PRINCIPAL

Depois do prato principal eu ainda quis experimentar o mix de linguiças, por pura gula e curiosidade. Não me arrependi! Recomendo a linguiça Parrilleira, uma delícia, apimentada e saborosa.

Parrilla Del Carmem - mix de linguiças

Para acompanhar tudo isso foram duas garrafas de vinho. Um Uruguaio e um Chileno, muito bem avaliados no Evino e Vivino.

Parrilla Del Carmem - Vinhos

Fechei com a sobremesa especialidade da casa. Sfogliatine, uma massa folhada com creme de chocolate branco e morangos.

Parrilla Del Carmem - sobremesa

O Parrilla Del Carmem é, sem dúvida, uma das melhores opções em carne de Santo André.

Se não é a melhor, mas não sou categorica nesse nível.

É uma ótima escolha para ocasiões especiais, ou para comer muito bem e ter um bom ambiente pra conversar. É silencioso, mesas numa posição confortável, não muito próximas e que deixam o clima bem reservado. Pratos bem executados e bem servidos, porções que servem bem duas pessoas e sobremesas idem.

Uma dica: eles fazem mini eventos, me pareceu um ótimo lugar para casamentos charmosos ou pequenas comemorações!

Voltarei mais vezes e vou fazer o curso de churrasco, anotem!

Eu sempre escrevo aqui no blog sobre os restaurantes que conheço e gosto 🙂