0
    0 In Estilo de Vida

    Quase um dia em Joinville: uma parada rápida demais

    Um dia em Joinville

    Nem posso chamar esse post de roteiro de um dia em Joinville!

    Foi uma noite e meio dia que, deixaram um gosto de quero mais. Mas, depois de visitar Morretes e Antonina, seria muito cansativo seguir viagem direto.

    A parada estratégica foi um dia em Joinville e, apesar do pouco tempo, fiquei encantada.

    Desse um dia em Joinville só tenho boas impressões.

    O clima estava ótimo, a cidade tem uma estrutura de turismo excelente e meu passeio inicial, foi para comer, óbvio!

    O destino certeiro era a via gastronômica com opções de pubs e restaurantes de todo o tipo. Fui a pé do hotel e achei a região vazia, por ser um centro de cidade.

    A via gastronômica fica perto do Shopping Muller. Pra quem não quer arriscar o shopping tem uma arquitetura linda, opções de lojas e restaurantes famosos.

    Pela manhã fui conhecer a Rua das Palmeiras e visitar o Museu Nacional do Imigrante.

    Um dia em Joinville - Rua das Palmeiras

    Na Rua das Palmeiras eu bem que tentei usar o tripé para fotos (com as Palmeiras), mas não foi uma boa ideia.

    Essa moça atrás de mim na primeira foto sentou exatamente onde eu havia posicionado a câmera, ficou ali e nunca mais saiu (tava fazendo stories/selfie) aí eu desisti das fotos.

    Tá vendo como eu não tenho talento pra ser blogueira? Paciência zero!

    Acima a foto do busto da Princesa Francisca Carolina Joana Leopoldina Romana Xavier de Paula Micaela Rafaela Gabriela Gonzaga de Bragança (ufa). Ou só Dona Francisca. A escultura de Fritz Alt foi criada em 1926 e precisou ser restaurada depois de sofrer vandalismo, mas retornou a praça presenvando suas características originais.

    A região onde hoje é Joinville fazia parte do dote que foi dado por ocasião do casamento da Princesa Dona Francisca com um Príncipe Francês, vale a leitura na Wikipédia.

    Um dia em Joinville - Museu do Imigrante

    No Museu Nacional do Imigrante eu fiz uma tour VIP, por que o museu estava vazio. O guia contou histórias, explicou muito não só sobre o museu e o acervo como também sobre a colonização de toda a região.

    O museu tem quatro grandes casas que remonta a vida dos imigrantes com os objetos históricos, a tecnologia, os transportes e tudo o mais próximo possível da época da colonização.

    Me apaixonei pelos quadros e bordados com frases e poemas em alemão e pela estrutura charmosa das casas de enxaimel.

    Fiquei encantada com a preservação dos móveis e do chão da antiga casa de enxaimel que foi instalada ali manualmente.

    Clique nas fotos para ver em tamanho ampliado:

    Segui para o Mirante da Boa Vista, já que não consegui subir na Torre Panorâmica de Curitiba.

    O Waze me mandou pra dentro de um bairro, com rua de terra e não achou a localização do Mirante.

    Um morador do local que me orientou a colocar no GPS como Torre da TV.

    Um dia em Joinville

    Rua sem saída onde o Waze achou que era o mirante!

    A pontualidade do ônibus turístico que leva até o Mirante impressiona. Dá pra subir a pé, mas no calor que estava eu nem cogitei. Dentro do Parque do Mirante ainda tem o Zoobotânico, que fiquei com vontade de visitar.

    Um dia em Joinville - Mirante

    Depois de esperar no ponto de ônibus com essa vista agradável (acima), contemplar a vista do Mirante foi recompensador!

    Um pedido aos pais que forem ao Mirante de Joinville com crianças pequenas: segurem na mão das suas crias. Sério! O Mirante não tem redes de proteção nas escadas e nem no parapeiro, dá um medo danado ver uma criança correndo por ali.

    Eu quase segurei na mão de um menininho que estava com o pai e o irmão, mas que dava um baile no pai e saia correndo como doido. Só não quis fazer a louca, né? Mas, fiquei com medo por ele.

    Continuei a viagem depois de almoçar as tradicionais empadas Jerk, para ver minhas avaliações de locais durante a viagem confere meu perfil no TripAdvisor!

    Joinville é uma cidade encantadora e que não perdeu os ares de cidade pequena. Mantém uma arquitetura preservada e misturada com prédios modernos.

    Como sempre, a Paulista aqui se impressiona com cidades limpas de verdade. Mais uma cidade organizada e onde todo mundo pára na faixa de pedestres.

    A cidade me lembrou muito Blumenau no seu “jeitão”.

    Joinville, preciso te conhecer melhor, viu?