0
0 In Empoderamento

Tudo muda o tempo todo no mundo!

Tudo muda o tempo todo

Tudo muda o tempo todo.

Eu lutei com isso algumas vezes e perdi em todas! Por isso, sabe quantas vezes eu precisei me reinventar na vida?

Eu contei! Só de situações extremas foram cinco as maiores e mais marcantes. Todas antecedidas ou seguidas de frustrações, perda, dor e muita resiliência no processo.

Nessas vezes sempre foi tudo ou nada, uma eu jurei que ia morrer e noutra eu quase morri de verdade!

Me dei conta, há bem pouco tempo, que eu passei pelo vale da sombras da morte algumas vezes e continuei andando.

Eu entendi pela razão que tudo muda o tempo todo e organizo minhas emoções a partir desse entendimento.

Sabe quantas pessoas podem dizer isso? Quantas pessoas tem essa bagagem, esse culhão? Eu sei! São poucas!

Não falo isso com arrogância, não. Falo com a humildade de não saber nem como, nem porquê eu consegui.

Sei e assumo o ser humano falho, fraco e incoerente que sou. Aceitar que tudo muda foi abrir mão do pseudo controle que eu acho ter, do ego exacerbado por pessoas e situações que já não faziam sentido sem mudança e enxergar a confusão constante que eu faço entre felicidade e prazer.

Belchior disse em 1976 “ano passado eu morri mas esse ano eu não morro”; não achei que uma frase fosse caber tão bem na minha vida. Valeu Emicida, por reviver esse refrão!

Mas, sim, ano passado eu morri!

Se você me conheceu antes, ou em 2018, certamente não me conhece hoje.

No último trimestre de 2019, há tanto mais de novo em mim do que eu poderia pedir nas minhas melhores orações.

E, se você pensa, que há uma lista só com coisas boas pra contar, tá bem enganado.

O que me dá a esperança de não morrer de novo, nem me sentar pra chorar em posição fetal no vale das sombras da morte é exatamente ter acontecido somente coisas ruins e eu ainda estar aqui contando a história de cabeça erguida e peito estufado.

Ainda engatinhando em não sentir vergonha, lidando com o medo e buscando ser firme na crença de que a verdade e a realidade são as maiores forças e a melhor escola.

É ótimo, para mim, aceitar que tudo muda o tempo todo, reforçar isso e que está tudo bem com a mudança.

E assim eu posso mudar também, sem medo, sem vergonha, mostrar as cicatrizes e viver.

Nesse meu diário quero compartilhar a lista de músicas que ouvi nesse tempo de mudanças. Literalmente, elas falam sobre mudanças! #tudumtiiss

  • Changes do Black Sabbath, na versão do Charles Bradley.

Essa versão ficou conhecida como o tema de Big Mouth, que aproveito para recomendar. Vai por mim, assiste nos dias mais entediantes, é uma série ótima para rir de si mesmo e ver que quase não saímos da 5º série de verdade. A animação fala das mudanças da vida adolescente que todo mundo viveu – ou vive – e tem um quê de dilemas humanos.

Essa música eu ouvia em looping em um tempo de muita dor, onde eu me enganei tanto que me perdi da verdade. Mas, tão importante quanto a letra desse clássico nessa versão, é a vibe e esse Soul delicioso!

Charles Bradley gravou quando sua mãe faleceu e, se você fechar os olhos e ouvir a letra, dá pra sentir a dor dele.

  • Changes do Tupac Shakur.

Eu ouvia pra me lembrar da raiva que eu tenho desde criança como força vital. Não sei se é raiva, mas sempre foi um inconformismo, uma não aceitação da injustiça, uma força para vida… Enfim.

Vale citar que eu repito essa estrofe adaptada pra endurecer o coração, quando preciso:

…but mama raised no fool and as long as I stay myself, I gotta stay strapped and I never get to lay back!.

 

Complementando a lista com chave de ouro a minha favorita de 2019. Sinceramente, Bowie tem sido um vício no meu rádio esse ano. Já falei dessa música, vejam esse post do meu Instagram e leiam os comentários para entender. 

  • Changes, David Bowie 

Strange fascination, fascinating me changes are taking the pace I’m going through…

Pretty soon now you’re gonna get older. Time may change me!

You Might Also Like

No Comments

Let's talk!