0
Browsing Tag

Planejamento

8 In Estilo de Vida

Planner 2017 para download

Planner 2017 - Lis.Life

Nem bem Dezembro começou e eu já tenho um planejamento semestral, fechamento anual, avaliação e uma vida pra planejar e entregar!

Por isso, eu que sou a louca do planejamento sempre tenho um planner sempre a mão.

Para inaugurar as indicações do blog eu selecionei 3 planners para download de graça!

O preço médio de um planner é R$ 250, em sites internacionais dá pra comprar por $ 50. Vale o investimento, especialmente se você é uma pessoa que precisa de organização e de ter informação sempre a mão.

Se o preço for um impeditivo, eu achei 3 blogs brasileiros que deixam seus planners a disposição de quem quiser baixar!

Eu até pensei em fazer um especial, mas meus dotes como designer são péssimos. Então deixo pra quem sabe fazer!

Para baixar o seu Planner 2017 é só clicar no link e ir no site que o disponibilizou 🙂 assim a gente ajuda os blogs a terem mais visitas!

Planner 2017 – Não me mande Flores

Planner 2017 Não me Mande Flores

Eu sou fã da Camila e da generosidade dela em todo ano compartilhar um planner lindo e muito bem feito. Ele tem opção de imprimir diário, semanal, mensal e anual. Tudo em A4 pra facilitar a vida!

E ela ainda coloca no post um link para vários outros freebies e recursos para você imprimir.

Planner – Que se Ame

Planner 2017 - Que se Ame
Esse Planner  é clean, limpo e com fontes lindas. A capa toda tropical é a minha favorita! Além de ser bem organiazdo em sessões, com calendário, mês em destque e bom espaçamento pra escrever.

São 2 versões pra você escolher e baixar!

Planner do Casinha Arrumada

Planner 2017 - Casinha Arrumada

As meninas do Casinha Arrumada fizeram um Planner muito fofo para você baixar! Com cores leves, motivos florais e opções de organização.

O tamanho de impressão é médio e tem opções de planejamento do dia por períodos, tudo para facilitar ainda mais o uso.

A imagem destaque desse post é da Ink + Volt Notebooks uma papelaria especializada em cadernos. Vocês sabiam que eu amo cadernos e artigos de papelaria? A Ink + Volt tem planners minimalistas do jeitinho que eu gosto!

Parabéns as meninas que produziram os planners e muito obrigada por ajudar a gente 🙂

7 In Estilo de Vida

Tudo sobre planejar uma viagem!

planejar uma viagem sozinha

Isso não é dúvida de forever alone, tá?

Anos atrás, eu precisei planejar uma viagem sozinha pela primeira vez na vida.

Eu organizei e fiz meu casamento DIY, a viagem de lua de mel entrou no pacote. Minha meta era fazer tudo com o mínimo de dividas possível pra uma assalariada, né?

O que fez dar certo foi dedicação, flexibilidade e a fórmula: pesquisar + organizar + planejar!

Prós e Contras de planejar uma viagem sozinha:

Eu gastei menos do que os agentes de viagem e operadoras de turismo me cobraram. Fiz muito mais coisas do que as opções que me ofertaram. Tive a oportunidade de viver uma experiência única fugindo dos pacotes convencionais.

O maior contra, sem dúvida é que dá trabalho. Um bom agente de viagens pensa em todos os detalhes e te entrega tudo pronto para embarcar. Quanto mais personalizado o pacote, mais caro o agente cobra. Fora que agentes e operadores de turismo tem prestadores de serviço fechados, o que limita sua escolha.

Passo a passo para planejar uma viagem sozinha:

Faça uma lista com tudo o que você já sabe a respeito da sua viagem. Comece pelo básico.

Qual o motivo da viagem? Quem vai com você? Qual sua janela de datas? Qual a verba disponível? Precisa de tempo para pagar parcelado? Cidades que tem em mente?

As respostas dessas perguntas e novas perguntas que surgem são o começo da pesquisa pré planejamento. Essa etapa costuma ser rápida, mas precisa ser bem feita para não ter erro.

  • Perguntas que precisam ser feitas e respondidas antes do planejamento: 

Vai ser um grupo grande? Crianças? Idosos? Alguma necessidade especial? Datas comemorativas? Feriados na região? Clima? Meios de transporte? Vacinas? Vistos? Compras?

Precisamos saber o maior número de detalhes antes de começar a pesquisar. Com as perguntas anotadas você sabe qual o foco da sua pesquisa.

Pesquisar é sonhar! É a parte mais gostosa e que exige muita organização e atenção aos detalhes. 

  • Com sua lista de perguntas e respostas do lado, agora defina prioridades!

Definir prioridades em viagens é alinhar o gosto e a expectativa dos viajantes com a verba que eles tem.

Viagem de compras para a família? Quais locais tem lojas para todos? Todo mundo pode carregar sacolas? Precisa de guarda-volumes?
Viagem para bater perna em todos os pontos turísticos? Alguém tem limitação para andar? Vai precisar de transporte especial?
Algum lugar que não pode deixar de ser visitado? Algum dia que precisa ter um jantar especial?

Definir prioridades é fazer concessões, abrir exceções, cortar algumas coisas, adicionar outras… A partir daqui já podemos pensar específicamente nos detalhes que começam a dar uma cara para a viagem.

  • Pesquisar tudo sobre o país/cidade de destino:

No Google pesquise os termos: “o que fazer em xxxx”, “pontos turísticos de xxxx”, “onde comprar em xxxx”, “onde se hospedar em xxxx”.

Filtre o que é propaganda ou post falso. Grandes blogs de viagem tem vários posts e ‘indicações’ patrocinados por redes de hotéis e atrações.

Dou preferência para blogs autorais, sites de reviews como o TripAdvisor ou posts em grupos. Para saber mais detalhes sobre hotéis e restaurantes eu uso o Foursquare e o Kekanto. As dicas da comunidade local e visitantes são um ótimo termômetro dos preços e do que tem pra fazer em um lugar.

  • Cotações e mais cotações – sempre com a pesquisa 🙂

Para começar a pensar a viagem e preços eu abro o Google Maps e digito o nome da cidade. Começo a buscar blogs, resenhas das cidades e atrações. Vou estudando o mapa de acordo com o que me interessa e fazendo anotações.

Fecho uma lista de bairros e até nomes de hotéis para começar a ver preços online. Uso o TripAdvisor, Decolar, Booking, Airbnb, Hóteis.com, Kayak e todos os sites possíveis.

Tenho sempre duas ou mais opções de hospedagem. Caso eu chegue no hotel e não goste, posso ir para outro da lista.

Dicas do <3 Muita atenção as regras da contratação da hospedagem por sites. Contratação sem direto de cancelamento deixa a diária mais barata, mas pode te deixar em apuros.

Escolha bairros acessíveis e reconhecidamente seguros. Não pague mais barato sem ter certeza de que o bairro é mesmo seguro.

  • Para passagens a regra é: quanto mais perto do embarque, mais caro.

Se a viagem tem datas fixas compro as passagens 6 meses antes. Se for contar com a sorte e esperar promoções relâmpago corro o risco de não a data e ter que pagar mais caro.

Eu uso sites que cotam com várias as companhias áreas de uma só vez: Submarino Viagens, Decolar ou Voopter. Mas, sempre verifico também no site direto das empresas aéreas.

  • Para passeios, tickets de atrações turísticas, ingressos de parques e shows:

Vejo sempre o valor para a compra antecipada com retirada no local com apresentação do passaporte. Imprimir em casa ou no hotel dá muita margem para esquecimento.

Aqui tem que fazer as contas porque varia por cidade e tipo de atração. Em geral, acho mais fácil comprar ingressos antes.

  • Alimentação:

Faço um levantamento dos preços da cidade em geral. Procuro a média de valores dos restaurantes nos entornos das região que vou passar.

No roteiro eu já coloco o nome dos restaurantes que quero conhecer. Mas, pode ser que eu decida ir em outro lugar e tento gastar a mesma média planejada.

O valor para alimentação fica em dinheiro ou cartão de débito exclusivo. Assim não acontece da grana da comida acabar na primeira loja. Taurina, né mores?

Dica: Se a viagem for exclusiva para compras em outlets considere refeições mais em conta nas praças de alimentação.

  • Gastos em geral:

O céu é o limite do seu cartão de crédito, meu bem! Cada um com seus problemas na hora de pagar a fatura.

Você precisa ter estudado e definido quanto vai ter de dinheiro ou crédito para cada coisa na viagem.

Se for uma viagem de compras defino valores limite por ítem, por exemplo: 10% para casa, 40% eletrônicos, 50% roupas e itens pessoais = 100% da verba de compras!

Tenho sempre uma verba emergencial, para imprevistos como um remédio, médico, etc. Gosto também de considerar uma verba para pequenos luxos. Jantares especiais, um tour com guia exclusivo, uma massagem, etc. Coisas que são encantadoras e geram memórias inesquecíveis.

Dica: Para comprar moeda estrangeira eu acompanho com muita antecedência os valores do câmbio. De vez em quando, acontecem variações menores que a média. Vou comprando aos poucos.

  • Monte seu roteiro:

No roteiro eu coloco horários de dormir e acordar (meu e dos acompanhantes). Penso o que quero fazer e quanto tempo tenho.

Quanto menor a duração da viagem, mais eu penso no roteiro certinho com foco nas prioridades da viagem.

Considero o tempo de deslocamento entre aeroporto > hotel/hotel > atrações, etc. Uso o Google Maps e sempre coloco 30 ou 40 minutos a mais, caso eu me enrole.

Faço o roteiro completo com detalhes por dia e horários, especialmente, se fiz reservas para parques ou restaurantes.

Anoto tudo desde nomes dos hotéis, restaurantes, atrações, endereço e telefone.

Imprima pra ter sempre com você, é fácil esquecer as coisas na empolgação. Se você for para um país onde você não fala a língua muito bem, você pode mostrar os nomes no papel. Tudo bem copiado da internet e revisado pra não ter nome errado, pelo amor!

O roteiro é a parte mais flexível de planejar uma viagem sozinha. Deixo o meu aberto e vou mudando até perto do embarque e, às vezes, mudo na cidade destino mesmo.

Com foco, organização e dedicação a gente consegue fazer boas viagens, viu?

0 In Estilo de Vida

O básico para planejar o casamento

como-planejar-o-casamento_wedding_planner

Não é muito convencional a noiva fazer mais do que contratar serviços para o casamento.

Mas, além de planejar o casamento, eu fiz decoração, lembrancinhas e muitas outras coisas sozinha.

Pouca gente ajudou, muita gente criticou. Verdade é, que não só foi possível como foi do jeito que eu queria.

Por isso quero contar como foi planejar o casamento DIY e, quem sabe, ajudar outras noivinhas?

Quando começamos a pensar em casar, eu queria uma cerimônia, o Excelentíssimo queria festa, nós dois sonhavamos com a lua de mel. Se isso tudo seria possível, era outra história…

Eu comecei a imaginar possíveis datas para casar, por vontade, não queria um sábado – como é normal aqui no Brasil. Mas, antes de fechar a data comecei a pensar em locais, preços e possibilidades que estariam ao meu alcance.

Foram 2 meses pesquisando tudo sobre casamento, imaginando se seria possível fazer tudo o que eu queria. Acho que é o melhor período de planejar o casamento, é onde a gente fica horas vendo inspirações e sonhando como será a festa, cerimônia, viagem e etc…

Quando decidimos uma data, comecei – efetivamente – a planejar. Escolhi uma sexta-feira, com 1 ano e 6 meses de antecedência.

Depois fiquei 1 mês só fazendo contas, eu já tinha a pesquisa de referência e foquei na contabilidade. O mais importante, para mim, era planejar o orçamento com cuidado. Dentro do possível eu queria prever o quanto eu poderia gastar com o casamento todo.

É comum as noivas começarem pela lista de convidados, mas não adianta ter uma lista enorme e não ter dinheiro para “bancar”, entende? Para mim, começar pelo orçamento foi mais pé no chão.

Para definir o orçamento do meu casamento DIY eu fiz uma conta simples:
(meu salário + salário do noivo) – (despesas fixas + variáveis)

Multipliquei o valor que teria por mês, pela quantidade de meses que falatava para o dia do casamento e cheguei no valor total do orçamento do casamento, o budget.

Exemplo:
planejar-casamento-diy-orcamento-1

Sabendo o orçamento eu escolhi as minhas prioridades no casamento.  Os ítens que eram mais importantes para mim, onde investiria mais % dinheiro.

Com muita paciência e foco que usei um truque meu de gestão financeira que sempre dá certo. Ter um valor emergencial, uma margem de negociação e uma exceção.

  • valor emergencial é para caso algo saísse do planejado. Precisar aumentar a lista, o sapato ficou mais caro, coisas que acontecem de última hora.
  • A margem de negociação é o valor extra que eu estaria disposta a pagar por alguma coisa. Por exemplo, se eu fizesse muita questão de casar no local X, ou do vestido da marca Y, ou da comida Z e eles fossem mais caros do que eu planejei eu tinha um limite para aumentar meu orçamento.
  • exceção eu chamo de o luxinho básico. O dinheiro que vai proporcionar aquela surpresa gostosa para o noivo ou noiva. Uma coisa, que não precisa ser essencial do casamento, mas que me deixaria feliz em ter.

Mesmo depois de tudo isso definido, ainda não era hora de ir para as cotações finais com fornecedores. Mas, sim, fazer a lista de convidados.

Não tive problemas com a lista, só de amigos próximos e familiares eram 180 possíveis convidados.

Usando o exemplo do orçamento acima, 20% para o buffet teria R$ 12.000,00. Numa lista de 150 convidados, seria R$ 80/pessoa, em São Paulo dá pra fazer uma festinha simples, mas decente, viu? Agora para uma lista menor, por exemplo, 100 pessoas o valor do buffet poderia ser de até R$ 120/pessoa.

Foi assim que percebi que tudo ia depedender de como eu queria meu casamento e de quanto estava disposta a pagar.

 

Respeitando o meu budget eu fechei a lista em 150 pessoas, com uma margem de exceção até 180.

Depois de orçamento e lista bem definidos que eu comecei a pedir cotações REAIS para fornecedores de casamento.

 É importante separar pesquisa de planejamento, na pesquisa você pode ver de tudo, pode pirar mesmo!

Eu pesquisei desde a Nossa Senhora do Brasil, Capela da PUC, restaurantes, sítios e até uma praia particular para fazer o meu casamento… Sonho meu!

Mas, no planejamento precisa ter FOCO!

Na pesquisa eu já tinha decidido que eu me casaria ao ar livre e já tinha uma ideia de fornecedores possíveis. Entrei em contato com, pelo menos, 3 fornecedores de cada tipo de serviço para ter uma boa noção de preço.

Mas, selecionei bem a lista, para não perder meu tempo com visitas e degustações a toa.

Foram 4 meses planejando, orçando e visitando fornecedores. Segurei a ansiedade e o medo de perder a data e só comecei a fechar contratos com 12 meses de antecedência.

Meu planejamento do casamento seguiu uma base simples: pesquisa, budget, planejamento, orçamento e contratação/compras.Eu me determinei e cumpri essas etapas com muita calma, depois foi só fechar os contratos e organizar os pagamentos com tranquilidade.

Achei em um site de noivas, que não me lembro o nome, um exemplo de orçamento de 30 mil reais. Com alguns ajustes é bem possível de ser seguido.

 

 Planejar o casamento com 30 mil reais

Eu não segui essas porcentagens porque fiz várias coisas sozinha.

  • Decoração e lembrancinhas, foram todas artesanais e feitas por mim, ao longo de 1 ano.
  • A papelaria foi feita por mim e produzida em uma gráfica de convites de casamento.
  • Os bolos e doces comprei no mesmo buffet que fez o coquetel e o jantar.
  • Os doces da mesa do bolo comprei a parte em pouca quantidade.
  • Não precisei de aluguel de carro, a cerimônia foi no mesmo local da festa.
Tudo o que economizei nesse processo eu usei para ter mais qualidade em outros serviços, que eram minha prioridade. Como jantar servido a francesa, coquetéis especiais, 2 equipes de fotografia, 3 opções de roupas para mim e 2 para noivo e mais algumas coisas… Tive um casamento chic e rico perfeito e feito, boa parte, por mim.

O que eu aprendi ao planejar o casamento:

  • Poucos fornecedores sabem trabalhar em casamentos DIY – onde a noiva faz as coisas, especialmente a decoração.
  • Os fornecedores de casamento jogam com o psicológico das noivas. Isso é péssimo!
  • Ter um plano B seguro e confiável (para tudo) é essencial.
  • Se algum fornecedor te pressionar para fechar contrato, só aceite se ele for muito bom e você fizer questão de ter ele no casamento.
  • Há meses MUITO mais caros para casar, Maio e Dezembro, por exemplo.
  • Investir em um buffet mais caro e completo, valeu a pena!

Minha postura ao planejar meu casamento foi simples e decidida. Mesmo assim tive momentos de chateação, mas eu não desisti do meu casamento DIY e deu muito certo.

Espero que todas as noivas que lerem esse post tenham o mesmo sucesso no seu grande dia. Se quiser conversar ou tirar dúvidas, eu sempre respondo os comentários 🙂