0
Browsing Tag

Diário

6 In Empoderamento

Ano novo, de novo!

Coloquei a prova minha crença no poder das pequenas metas e fiz acontecer todas as 10 coisas que listei 15 dias antes do final do ano.

Em, 31 de Dezembro, eu estava me arrumando para celebrar o ano novo – de verdade – pela primeira vez desde 2017.

Passei esses aninhos sem o tal sentimento de esperança do ano novo, por força da vida ou fraqueza minha mesmo. Estava anestesiada de tanto sofrer e, por dentro, era como se estivesse sentada vendo o circo da minha vida pegar fogo, sem problema algum…

Por fora, estive mais ativa, mais metida, mais forte, dando porrada a 3×4. Por dentro eu tinha um f*da-se gigante acionado pra vida, uma sensação de tanto faz o que virá… Talvez, por isso, é que eu estivesse tão “forte” por fora.

Nada me tocava nem me fazia sentir aquele momento “uhuuuuu feliz ano novo!”.

Olha que eu sempre gostei de celebrar, mesmo pequenas coisas. Porém, eu olhava para as circunstâncias e pensava que o certo seria desejar Feliz Ano Velho, afinal, nada havia mudado e nem mudaria no dia 01 de Janeiro.

NADA mesmo, essa era minha única certeza! Quem me devia não iria pagar, o trabalho seria sempre um trabalho, a família ia seguir igualzinha, muita injustiça ia rolar impune no mundo todo, as contas vencendo, gente morrendo, filha da puta se dando bem, algumas coisas boas rolando, mas…

Errada eu não estava, viu?

Todos essess anos começaram e terminaram na vibe vida loka, com guerras novas e antigas, nada muda mesmo só com a passagem do calendário!

Mas, ok, estamos agora em 2020, e aí?

Depois de muito lutar com meu negativismo-realista eu percebi que sigo não estando errada…


Se você tem uma visão Polyana, coloridinha da vida, sorry! A verdade é que as circunstâncias serão, quiçá, cada vez mais difíceis. Especialmente, se você encara responsabilidades e dores fazendo o que tem que ser feito quando a maioria das pessoas simplesmente não o fazem.

Suas contas vão te incomodar, seu peso, suas brigas, seus defeitos. As dores de quem você ama vão te fazer impotente, algumas pessoas vão morrer, outras nascer. As injustiças vão te dar um nó imenso na garganta, o mundo vai se tornar cada vez maior e ao mesmo tempo menor.

Encarar e, dentro das minhas limitações, aceitar isso me ajudou a sair do ostracismo. De fato, VER qual era a minha REALIDADE foi LIBERTADOR.

No fundo eu sabia quais eram as minhas circunstâncias e que somente EU poderia viver nelas. Não havia nada que eu pudesse fazer para mudar o passado, muito menos o presente ferrado. A única coisa que eu posso é encarar e viver, sentindo cada momento mesmo.

Foi o que eu fiz, indo pro lado negro da força… Mas, fiz!

Não me lembro a última vez que fiz uma lista de metas/sonhos ou um plano que eu tenha me dedicado de verdade.

Desde promessas comuns como emagrecer, economizar, uma atividade nova, comprar algo. Todos nós, invariavelmente, uma vez ou mais na vida, chegamos ao final do ano não tendo feito nadica de nada do que “planejamos”…

Seja por circunstâncias que mudam sem nossa ação, morte, desemprego, encerramentos ou merdas que a gente faz mesmo. No meu caso, desde 2017, rolou tudo isso ao mesmo tempo agora!

E o que eu fiz quando tudo isso me aconteceu ao mesmo tempo agora, valendo!?

Eu vivi cada momento com minha intensidade natural, minha teimosia, minha raiva, todo ódio e rancor que um ser humano falho é capaz de sentir e um pouquinho mais porque eu sou ótima em ser uma má pessoa… Vivi com a força transformadora de quem desfaz um mundo com a mesma decisão com que o constrói.

Muito fiz, corri, lutei, mas todas as minhas circunstâncias mudaram de novo em Julho de 2019. Foi a gota d’água, pensei! Mas, prazer, sou Joseph Climber?!

 

As dívidas que me sobraram após um, desnecessariamente, longo divórcio se acumulavam na minha mão sem que ninguém que deveria ser parte da solução se importasse. Lidei sozinha com crises de pânico e com a depressão que eu quase não percebi estar.

Bem aí, no meio de toda as merdas, que eu comecei a sair da sensação de estar anestesiada pela raiva, Senti tanta dor que eu pensei que nunca mais sentiria, senti tudo de novo, mil vezes pior.

Mas, enquanto buscava (sem saber) ajuda eu me coloquei como voluntária para ouvir pessoas que estavam tão deprimidas como eu. Fui estudar psicologia, fui ler sobre religião, karma, fui brigar com Deus. Me enfiei dentro da casa da minha mãe para deixar toda a dor passar sem que eu a piorasse e me machucasse.

Meu mundo se abriu denso, mas se abriu. As nuvens carregadas na minha cabeça já não me paralisavam… Paguei por ajuda, recebi a bondade de estranhos, voltei a acreditar que de alguma forma ainda havia vidam ainda havia o Bempor aí.

Era um tipo de ano novo fora do tempo, em meio a várias perdas e na minha pior versão.

Então eu tomei a decisão mais fracassada da vida adulta, mas a melhor decisão nesse momento. Saí da minha casa e voltei a morar com a minha mãe, o maior passo para trás que eu não escolhi, mas precisei dar na vida.

Se você achou que teria um milagre com algo de extremo sucesso, isso aqui não é um filme da Disney, é a vida real!

Eu voltei pra dormir num sofá, me desfiz de todos os meus bens materiais que haviam restado, estava sem trabalhar, tomei um calote grande, não resolvi nem 5% dos problemas que ficaram no meu colo mas, sobrevivi e segui.

Chegou 2020 e eu fiz novas pequenas metas, baby steps ainda com medo.

Eu sei, só agora, que a coisa mais restauradora que fiz nesse tempo de morte e ressurreição foi ajudar o outro com a minha dor. Ver e ouvir pessoas sofrendo por coisas maiores ou menores. Estar ali pro outro me salvou.

Ainda na intenção de ajudar decidi falar no Instagram das minhas pequenas e vergonhosas metas de 2020. Aí o Fernando Pinheiro, me cedeu um e-book para compartilhar com quem me segue no Instagram.

Recomendo que leiam o “Inabalável, atingindo todas as metas” tem excelentes ferramentas.

Eu queria fazer mais por quem me segue ali nas redes sociais, queria sair do mundo virtual e ajudar efetivamente. Foi por isso que criei um grupo para compartilhar de perto a minha evolução (ou não) com 3 seguidoras que se interessaram pelas minhas metas.

No grupo temos dividido histórias e experimentado curas tão profundas que eu nem sei como isso acontece. Na verdade, eu sei.

Minha vida hoje está arrumadinha, linda e restaurada? É por isso que acho que posso ajudar alguém? Óbvio que não! Mas, eu tô viva, não estou? Só me resta me colocar a serviço onde eu estiver!

Foi vivendo o dia a dia, fazendo as tarefas mais básicas que a vida voltou às minhas narinas. Desde fazer a cama, organizar minha bolsa com atenção a realidade das moedinhas que tinha. Até estar presente de verdade no voluntariado dando amor e atenção a quem precisasse, mesmo quando era eu quem precisava de ouvido e amor.

Fui construindo um ano novo me reconstruindo de novo.

Comecei buscando uma fuga, queria movimentar a vida e jogar a dor pra fora. Até que passei a não sentir mais tanta vergonha do que me aconteceu, sei que tudo que não estava nos meus planos é parte de algo muito maior!

Por isso, que desejo nesse e tantos anos quanto nós vivermos poder colocar a vida em movimento fazendo o bem e com o olhar voltado para a realidade como ela é.

Afinal, “o futuro é uma quantidade infinita de incertezas” – Marcelo Rubens Paiva em Feliz Ano Velho

É isso que nos fortalece e nos dá mais do que novos anos, uma nova vida!

“conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” – João 8:32.

1 In Empoderamento

15 dias para o fim do ano!

Okay! Okay! Antes da Simone surgir cantando eu ainda acredito no poder das pequenas metas!

Simone:

make action GIFs 15 dias para o fim do ano

Faltam 15 dias para o fim do ano e eu sei que ainda dá tempo de fazer alguma coisa.

Seja encerrar, organizar ou ver que F**eu mesmo, já era…

A Thais, do Vida Organizada, escreveu um texto ótimo com 20 coisas bem práticas para serem feitas antes de 2020 e de organização ela entende, viu?

Embora a passagem de dias no calendário possa não ser algo significativo para todo mundo, boa parte de nós humanos não vira a folhinha sem pensar um pouquinho naquilo que queria (ou quer) e o que, de fato, fez.

A pressão da data de um novo ano normalmente implica em olhar para o ano que passou e pensar no que virá. Meio que pelo impulso social ou por nosso instinto mesmo, meio sem motivo, mas é isso.

Eu decidi que quero esses dias mais leves, me centrando na realidade e não nas minhas tentativas de controlar tudo e me isolar do mundo. Porque eu cansada mesmo e para que eu conclua coisas que me comprometi, seja elas quais forem.

Assumindo essa responsabilidade eu me determinei a fazer 10 coisas nesses 15 dias para o fim do ano!

  1. Meu TCC: tenho a primeira parte a ser entregue (exatamente hoje, dia que eu escrevo!). Sentei em cima por meses, mas vou terminar no prazo, assim seja, amém! Feito, dia 16/12!
  2. Finanças (in/out): preciso organizar as coisas aqui, ver o que entrou e o que saiu para fechar o ano sabendo o que posso fazer ano que vem com meu dinheiro até dia 30/12.
  3. Projeto: tenho um projeto estratégico em andamento, preciso concluir 3 tarefas dele até dia 31/12.
  4. Livro: tenho que terminar um livro que enrolei pacas e preciso escrever um artigo sobre ele. O livro é ruim, mas me comprometi a fazer até dia 28/12.
  5. Autocuidado e auto-mimo: vou me dar uns dias/horas de autocuidado, dane-se se eu já sou mimimi demais, se não deveria investir nisso. Eu tive um ano difícil e eu vou me cuidar, tenho uma lista de 4 coisas para fazer só por prazer mesmo.
  6. Curso Linkedin Essencial: preciso concluir as 3 últimas aulas até dia 21/12. Me comprometi com o Reinaldo e farei só por isso.
  7. Organizar o espaço físico que chamo de casa: hoje moro no meu antigo quartinho, emprestado na casa da minha mãe, depois de sair da minha casa de 200 metros! Ou seja, tem caixa até dizer chega para arrumar, dar fim, doar e etc. Preciso desapegar dessas coisas.
  8. Doar roupas: já tenho poucas roupas, mas muitas não condizem mais comigo. Vou tirar 5 peças para doar antes de virar o ano.
  9. Tratamento de saúde: tenho um exame para ficar pronto dia 18 e eu preciso voltar no médico até dia 29, empurrei isso até aqui. Minha saúde não é uma coisa exemplar, então preciso voltar antes dele sair de férias em Janeiro.
  10. Encontrar, agradecer, pedir perdão e dizer eu te amo para pessoas importantes… Essa meta é a que eu quero dobrar o máximo que der nesses 15 dias. Já comecei hoje, 16/12, almoçando com uma amiga muito querida!

Pode parecer pouco, bobo e sem sentido para você, eu sei, deve ser mesmo. Mas, para mim, essas 10 coisas tão pequenas são suficientes para que eu me livre dos pesos, sirva onde posso e viva melhor esse tempo de passagem.

Esse ano fecha um ciclo de 3 anos de mudanças significativas, encerra uma fase marcante na minha vida.

Por isso, meu motivo é só fazer coisas simples, pequenas e cumprir o que me comprometi. fechar esse ano tão intenso, que me mudou e moldou na base da porrada.

Quero focar no que ainda posso fazer aceitando que a realidade é essa mesmo.

Eu tenho esses problemas ou pendências? Não! Mas, você acha mesmo que vou resolver alguma coisa nesses 15 dias que não resolvi nos 350 outros dias do ano?

Me? Really?

Grandes coisas me aconteceram sem que eu pudesse evitar ou mudar, nada de significativo estava sob meu controle e precisei lidar com coisas que nunca imaginei. Então, minha reta intenção é manter o foco nessas pequenas coisas agradecer pelo TUDO que tenho, NADA que sou e por QUEM (e todos) me sustentou até aqui.

Qualquer meta maior que essas seria só mais um peso e eu fracassaria lindamente.

E você o que vai fazer com esses dias? Não precisa ser nada grande, enorme, mudar o mundo, mas ainda dá tempo de fazer coisas úteis com motivo e significado nesses dias.

Temos 15 dias para o fim do ano, usemos com sabedoria e intensidade!

2 In Empoderamento

2017: o ano em que não me reconheci

2017 - o ano

2017 foi o ano em que eu mais repeti a frase: eu não me reconheço!

Dificilmente depois desse 2017 eu voltarei a me re-conhecer*. Viu?

*me reconhecer de me ver igual no passado, entende?

2017 foi o ano mais difícil, sendo o ano mais fácil da minha vida, até aqui.

Vivi mudanças profundas e rupturas tão inesperadas que eu custei a entender que esse era o ~destino~ de 2017. Por outro lado, algumas coisas mudaram em mim de forma tão natural, que quase acreditei no poder sobrenatural da minha mediunidade.

Acreditaria nisso, se eu não fosse tão mais cética hoje do que era em 2016. Não perdi a fé, mas…

Em 12 meses eu mudei, fui do meu mal ao meu pior! Fiz das tripas coração para não sucumbir na maldade alheia e não me tornar uma pessoa pior, mas não deu.

Não foi sem luta, mas sei que fecho 2017 sendo a pior versão que eu poderia ser de mim. Terminei pior por dentro, pra mim mesma e para a felicidade daqueles que queriam o meu mal e me fizeram isso.

Mas, eu sei da minha responsabilidade. Eu quem sucumbiu, eu que não me reconheci no meio de tanta coisa nebulosa.

Bendito 2017 que me fez refletir mais sobre o sofrimento envolvido nos prazeres da (minha) vida. Na responsabilidade que tenho, mesmo quando estou vivendo só pro meu prazer

Foi nesse 2017 que, logo eu, que sempre fui tão sedenta de vida e segura das escolhas que havia feito precisei aprender a viver com o luto da perda (em vida) e com a quebra da minha (auto) confiança em todas as áreas da minha vida.

Agora reconheço que sempre fui um pouco escrava do meu imenso auto-controle e da falsa confiança que eu via na vida que construí.

Foi assim que eu optei por me esvaziar.

Me esvaziar de rótulos, de certezas, de status para poder reencontrar o meu tesão por viver. Meu tesão por mim mesma, por tudo que sou e tenho de bom e ruim.

No meio do caminho não teve nada nem ninguém comigo.
Não teve uma ajuda especial.
Não teve força sobrenatural, nem milagre.
Não teve acontecimento marcante.

Teve a vida sendo a vida. Um ciclo sem fim de começos e finalizações.

Teve também muitos questionamentos éticos e morais que domaram a minha raiva impulsiva. Outros tantos questionamentos que me fizeram racionalizar desejos e ponderar decisões.

Tudo isso doeu em lugares inéditos pra mim, lugares que eu nem sabia que existiam.

Admito que, algumas vezes, só as lágrimas fizeram meus olhos brilhar. Não teve decência nem dignidade na luta, teve muita dor, admito, teve ódio que cega…

Por opção e pela dor eu recuei, me afastei e não deixei ninguém se aproximar.
Estive vulnerável e tentando entender o que acontecia comigo. Por isso, o isolamento foi o meu caminho.

Mas, por sorte, o amor, o trabalho e as amizades sobreviveram de um jeito que não mereço e sou infinitamente grata por isso.

Disso tudo eu refiz uma vida, catando as sobras do que eu tinha ali a minha disposição.
Cuidei da minha casa, que é também um reflexo da minha alma.
Trabalhei muito mais horas e muito mais duro do que em qualquer outro ano da minha vida.

Quase perdi um dos meus gatos e quase morri junto com ele. Mas, foi olhando no olhinho abatido dele, deitado na mesa fria do hospital veterinário que eu reaprendi o valor da vida.

Foi na morte do meu Pai que eu aprendi o que tem mesmo valor nessa vida.

Em 2017 não foi diferente…

Foi na noite mais escuro da minha alma que entendi que preciso, todos os dias, despertar com o Sol dentro de mim. Por que no mundo, as pessoas com luz são tão raras…

Quando a minha vida parou bruscamente eu tive tempo de olhar pro lado, pra mim.
Comecei a me interessar e pesquisar sobre assuntos novos. Um desejo de estudar mais, me habilitar para novas atividades. Neurociências, psicologia comportamental, inteligência artificial, filosofias orientais, gênero, criptomoedas, investimentos…

Aprendi mais sobre o meu propósito com o blog, sobre a razão desse espaço existir na minha vida.
Busquei entender meu corpo, minha saúde e a falta dela.
Assumi posições importantes no trabalho, meti a cara e fui fazendo.
Aperfeiçoei meu currículo, estudei mais o idioma que quero me tornar proficiente e vi os frutos disso tudo em convites e propostas de trabalho!

Estive sozinha, não que tivesse tido alguma ajuda no passado. Mas, ainda me espanto com as revoluções que consigo fazer all by myself.
Encarei as batalhas mais difíceis, rindo e chorando a cada derrota ou vitória.

Nesse processo todo eu vi, de novo, a vida sendo a vida.

Em 2017 pude comprovar que todo aquele que merece, recebe a felicidade em dobro, depois de combater o bom combate!

Mais que um testemunho, pela vida que chega, a esperança se tornou viva pra mim!

Fecho o ano esperando ansiosamente a chegada do Bernardo. Que é um sinal de fé e esperança na bondade da vida.

Vai ser nos olhos do Bernardo que vou enxergar quem quero ser daqui pra frente.

Vai ser pela esperança que ele me trouxe, pela Isa e pelo Gu que vou construir um mundo novo.

E pela Gio, que vai casar, eu vou acreditar que toda tampa tem sua panela <3.

Pode vir 2018, eu sei o que me guia.

4 In Estilo de Vida

Viajar de carro, sem destino, sem planos…

No dia 30 de outubro saí para viajar de carro, sem destino e sem planos…

Logo eu a louca do planejamento que sou tão organizada que não faço quase nada sem ter um mínimo planejamento aceitável.

Mas, né?

Esse ano não pude planejar minhas férias, entre ficar em casa e sair por aí, eu preferi sair…

O destino inicial era Curitiba no Paraná, com uma ideia de ir conhecer Laguna em Santa Catarina. Mas, como eu sempre digo o blog me traz sempre as melhores experiências (ou lições)!

No Instagram a viagem ganhou outro corpo, outra cara, outra pegada!

Contei que iria viajar de carro rumo a região Sul do Brasil, começando por Curitiba.

Entre uma dica e outra, fui para praias desertas, restaurantes deliciosos e novas cidades…

Tudo seguindo as dicas das @’s amigas do blog! Estou no oitavo dia de viagem e passei por 7 cidades só seguindo dicas recebidas no Instagram, aproveita e me segue no lis.life!

Viajar de carro, sem destino, sem planos virou uma aventura com outra conotação.

Mais do que falando stories pra dividir estou mostrando onde vocês me mandaram ir. 😃 Até agora não teve uma dica furada!

Desde restaurantes até passeios: todos acertaram em cheio e tem sido delicioso compartilhar.

Tirando o fato da internet não funcionar aqui, minha rede 4G pelo visto só alcança até Curitiba. 😔

Como não pude subir todos os vídeos, postar todas as fotos, eu estou escrevendo sobre a viagem. Registrando no meu bloco de notas e vou publicar assim que voltar pra casa.

Já são tantas memórias pra escrever! Até um desejo que compartilhei no stories, no início da viagem. se concretizou.

Existe uma fonte de vinho! E não foi só piada minha 😀

A viagem vai durar mais alguns dias, mas já estou seguindo na rota sentido São Paulo.

Sem dúvida, está sendo uma das melhores experiências desse ano!

1 In Vida em Casa

Limpar casa, um desafio vida real!

limpar casa - desafio

Limpar casa não é das coisas que mais amo nessa vida, sempre que posso, pago pra fazerem isso por mim.

Tenho uma faxina quinzenal, mas é impossível que a casa fique limpa sem fazer mais nada.
Mesmo quando eu ficava fora e só dormia em casa casa, os gatos curtiam o espaço e a limpeza não durava os 15 dias de intervalo.

Graças a Deus tenho uma casa grande, com vida, dois gatos e etc. mas, ela não é auto-limpante ainda. Whyyyy?

Hoje eu valorizo ainda mais e agradeço todos os dias pela vida da minha mãe. Mesmo sendo faxineira, trabalhando no pesado todo dia e morando em casas ruins com mofo, sem piso… Ela cuidava tão bem de tudo e todos!

Foi com a minha mãe que aprendi tudo que sei sobre limpar casa, mesmo sendo uma péssima aluna. Já contei, aqui no texto Como ser Independenteque esse ano um dos meus desafios foi mudar forçadamente minha vida em todos os sentidos.

Entre outras coisas, precisei pegar gosto de novo pela minha casa e por tudo que inclui ser dona do meu próprio nariz. Tudo mesmo, até lavar, passar, limpar casa…

Até o final desse ano quero criar o hábbito de fazer a rotina de limpar casa ser menos massante no pouco tempo que tenho.

Já tentei seguir o método Fly Lady, as rotinas de limpeza dos blogs de organização mas, nada funcionou na minha vida real.

Por isso, decidi me desafiar e fazer essas rotinas de dona de casa se tornarem um bom hábito.

Afinal, eu não sou a dona da P* toda? Então!

Eu perdi completamente o prazer de viver na casa que comprei – e tô pagando. Faz tempo que olhar pra cada móvel que eu mesma desenhei e mandei fazer não trazia mais nenhuma satisfação.

As coisas físicas e materiais se tornaram só coisas e não foi só nesse último ano. Foi com o tempo, com o cansaço da rotina de trabalho e o desgaste de manter o meu foco em outras coisas.

Mas, foi com as lições que esse ano me trouxe que eu parei para respirar e ver minha casa como parte de quem eu sou!

Mesmo sendo um espaço físico transitório, entendi que ninguém vive com plenitude a experiência de ter uma casa (ou bens materiais) de verdade sem cuidar deles fisicamente. Não é só o desfrutar que nos faz ter um lar, é construir esse lar, é cuidar, manter e isso inclui limpar casa, passar roupa, organizar…

O que fazia das casinhas que morei com minha família ser um lar era o amor e cuidado da minha mãe. Mesmo na casa mais simples que moramos, que tinha paredes mofadas, ratos, baratas e etc a minha mãe cuidava como se fosse um palácio. Ela cuida até hoje da casa dela com um esmero que eu desejo ter na vida!

Graças a Deus, fiquei muito mais próxima da minha mãe nesse momento difícil que passei e ela me fez entender que o espaço físico que vivo reflete meu estado interior.

Cuidar daquilo que tenho, por mais simples que seja, é essencial para que eu sinta gratidão. O usufruir é ótimo, mas é o cuidar que toca nossa alma e nos faz ser gratos de verdade.

Não pensem que isso é apego a bens materiais, eu acredito que tudo é muito temporário. Em um instante as coisas que conquistamos podem nos ser tiradas. Por isso, cuidar delas, mesmo que um pouquinho, não deve ser um sacríficio, mas sim motivo de alegria e satisfação.

É parte da minha filosofia de vida buscar brilho em todas as coisas, mesmo nas pequenas e não agradáveis.

Osho diz que tudo que fazemos pode ser uma forma de meditação e conexão com o sagrado.

Amo ficar sentada no sofá fazendo vários nadas e isso não vai mudar. Mas, percebi que ter só isso pra fazer todo dia quando chego em casa é quase como morrer lentamente.

Passei a acreditar que o pouco tempo que tenho para cuidar da minha casa, é também uma forma de meditar, de me acalmar da loucura que é a vida.

É movimento! Movimento deixa nossa cabeça mais sã e nossa energia mais canalizada.

Aqui eu falo com mulheres das mais diversas realidades, por isso adianto que não vou dar somente dicas para limpar casa. Vou falar de como essas pequenas tarefas ajudam a lidar com problemas maiores, como a depressão, a raiva e outras coisas que vivi na pele.

Como coisas pequenas do dia a dia, podem ser responsáveis por mudanças na nossa energia e em quem somos, no que temos e até no que desejamos.

A medida que vou me adaptando a essa rotina, aprendendo e testando, vou escrever e compartilhar dentro da categoria Vida em Casa, que já tem textos de decoração e tudo que envolve casa.

Para começar o que eu já fiz até aqui:

  • Eu havia cancelado o serviço de limpeza profissional, mas vi que não consigo fazer tudo sozinha.
  • Optei por contratar um serviço de limpeza quinzenal que fosse mais barato, mesmo sabendo que eu perderia em qualidade.
  • Me acostumei a lavar e passar roupas também a cada 15 dias.
  • Cancelei a lavanderia por um tempo e estou aprendendo a cuidar das minhas roupas mais “caras” e difíceis.
  • Tenho usado lavanderia profissional para casacos, vestidos de festa e edredons, somente.
  • Criei o hábito de usar a lava louças, uma vez ao dia, sempre antes de dormir (se tiver jantado em casa). Minha mãe sempre disse que pia limpa deixa a cozinha mais arrumada.
  • Tento, pelo menos uma vez na semana, zerar uma tarefa que só dependa de mim. Minhas roupas, limpar eletrodomésticos e as coisas dos gatos, por exemplo.
  • Descobri coisas que podem me ajudar muito nessas tarefas com o tempo curto que tenho. Desde produtos, cheiros e até equipamentos.

Mostrei ontem no stories a compra de “dona de casa”, foi um MOP spray que eu pesquisei por meses até me decidir que valia a pena. No stories eu mostro tudo em tempo real, algumas dicas de como faço as coisas e produtos que tenho usado.

O que eu ganhei com isso:

  • Mais dinheiro na conta. Fato: fazer as tarefas de casa é mais econômico.
  • Tenho gostado de passar mais tempo em casa e curtido muito mais as coisas materiais que tenho.
  • Parei de reclamar por não poder mais ter a empresa que gostava limpando a casa, por não poder ter mais a lavanderia.
  • Passei a olhar cada centímetro da casa que tenho como sendo um paraíso que me foi emprestado por um tempo.
  • Estou mais calma e mais feliz.
  • Tenho descoberto gostos, sonhos e até talentos que eu desconhecia em mim.

Hoje é segunda, seria o dia da empresa vir limpar e eles me deram um bolo. Mas, antes de reclamar eu acho que foi providencial: vou colocar minha rotina a prova.

Me segue no Instagram @lis.life pra acompanhar meus “momentos blogueirinha da vida real”. Eu falo de tudo, papo de casa, maquiagem, beleza, carro, roupas, vida e claro mostro meus gatinhos!