0
Browsing Category

Estilo de Vida

0 In Estilo de Vida

Lámen em São Paulo é modinha: Hirá Ramen Izakaya

Lámen em São Paulo é modinha Hirá Ramen Izakaya - destaque

Lámen em São Paulo é modinha desde 2016. Temos opções variadas, dos japoneses na Liberdade aos points na Vila Madalena.

Eu nunca havia comido Lámen, 30 anos de quebrada e ainda tenho um mundo pra conhecer. Muito menos havia ido em um IZAKAYA, eu nem sabia o que era.

Naquela quinta feira eu vi uma foto de um Lámen tão bonita no Instagram que fiquei com vontade – a loka das lombrigas. Por coincidência, a noite eu estava em frente ao Hirá Ramen Izakaya e decidi me aventurar.

Primeiro pesquisei o que é Izakaya, né? É um típico bar japonês para beber e comer refeições rápidas, mas completas. Não é petiscar, é comer mesmo. Não é pub, nem barzinho, é uma mistura de Brasil com Egito dos restaurantes japoneses.

O nome “izakaya” é uma palavra composta de “i” (“sentar”) e “sakaya” (“loja de saquê”), o que mostra sua origem como estabelecimentos que vendiam bebidas alcoólicas e permitiam que os clientes se sentassem em suas dependências para bebê-las. Wikipédia <3

Espiei um pouco e olhei o cardápio disponibilizado do lado de fora da casa – ponto positivo. O ambiente é pequeno, mesas bem próximas em frente ao sofá que circula o salão.

Mas, me pareceu agradável, meia luz e mesas disponíveis, entrei.

Na mesa ao lado, um casal falava Francês, Inglês e Português. Tudo ao mesmo tempo com uma garrafa de saquê aberta. Os playboys na outra mesa falavam de drogas e baladas, as patricinhas topzêra da balada tiravam fotos dos pratos. Dois homens com pinta de executivo bebiam e conversavam no balcão.

A garçonete chegou, deixou o cardápio e se retirou.

Óbvio que fiquei perdida, entre os nomes dos ingredientes, molhos e opções eu precisei do Google, de novo. Quando a garçonete chegou ela deu uma explicação bem ruim, que me confundiu um pouco, mas consegui escolher.

– O atendimento não foi ruim, a moça era gentil, mas não se saiu bem ao explicar e o barulho da casa atrapalhou e me irritou um pouco.

Minhas opções foram básicas para conhecer o tal do Lámen em São Paulo no restaurante eleito o melhor Izakaya de 2016 pela Veja Comer & Beber.

Das bebidas eu destaco com louvor o Midori Citrus. Um suco de capim limão, gengibre na medida, limão tahiti e água com gás. Como entrada pedi o Tataki do dia, peixe com molho ponzu, shisso, gengibre e cebola roxa*.

– eu não gosto de gengibre em excesso, mas não pedi para maneirarem a mão e, ainda assim, estava na medida.

Agora o Ramen, Lámen, ou o miojo que subiu na vida como diz o Marco Gomes :).

Das inúmeras opções, o escolhido foi o Miso: macarrão no caldo ton tori paitan, temperado com miso dare, servido com chashu, ovo cozido, takenoko, chingensai, tomate picado e cebolinha*.

O que deacho é caldo ton tori paitan, miso dare, chashu, takenoko, chingensai… Google it! Sim, preferi buscar no celular do que pedir explicações e ficar ainda mais confusa.

Para completar pedi um peixe grelhado da casa, o Sanma que é cavalinha do pacífico grelhada inteira (importada do Japão)*. Que não me ganhou em nada, tem sabor de anchova e eu não gostei da apresentação inteira, espinhosa, com as vísceras e etc.

Lamen em Sao Paulo Hira Ramen Izakaya - Sanma

Fechei com um mix de sashimi do dia, os peixes frescos e bem saborosos em cortes largos, diferente do convencional.

*Informações do cardápio da casa.

De sobremesa a casa tem apenas três opções,  ganha ponto por ter uma sem glúten. Eu escolhi o doce que me pareceu mais apetitoso, o Choux Cream um pãozinho com creme de baunilha. Saboroso eu admito, bem saboroso.

Lámen em São Paulo - Hirá Ramen Izakaya - sobremesa

A luz do local não me ajudou a tirar fotos decentes, por isso recorri ao perfil do Hirá na internet para ter mais fotos no post 🙂

Uma avaliação geral?

Considerando o local, o atendimento, mas principalmente a comida: eu achei tudo SUPERVALORIZADO! Pagamos o preço do bairro badalado, da modinha, mas faltou o fator WOOOOWW na comida. É o fator wooowww que me diz que uma comida vale o preço, entende?

Fiquei desapontada com a modinha do Lámen em São Paulo, me senti enganada pelas fotos de comida. Achei o Lámen gostoso, sim, bem servido, mas o sabor não me ganhou muito não.

Os demais pratos da casa seguem a mesma linha, são saborosos, mas simples, sem aquele sabor que faz a gente voltar na casa. Entendem?

Super comeria Lámen de novo, mas que vou procurar uma casa mais tradicional na Liberdade para ver se acho meu fator wow!

2 In Estilo de Vida

As histórias escolhidas | Vai casar e quer ganhar o vestido de noiva?

Contar histórias é um privilégio, ainda mais histórias de amor, com muita vida real envolvida!

Acredito que cada história aqui traz uma verdade, uma vida cheia de lutas e suas recompensas. Quando eu li todos os textos com as amigas, seja no whatsapp ou compartilhando a planilha de inscritos uma coisa foi unânime: muito choro e emoção.

Eu recebi histórias lindas, cada uma a sua maneira. As que selecionei primeiro foram as que mais me tocaram e é triste que, das quatro escolhidas, duas não aparecerem durante os 2 dias inteiros de prazo de resposta.

  • Ainda uma pessoa, em especial, só se manifestou pra me ofender, depois do prazo. Uma pena, mas um claro sinal de que não era mesmo pra ela esse presente.

Esse prazo de 48 horas após a live foi decidido de comum acordo com quem estava na live, para ser o mais justo possível. Mas, não sei se há como ser justa quando lidamos com sonhos, desejo e principalmente com pessoas de formação, caráter e valores distintos.

Não penso em quem ganhou com ou sem merecimento, se fiz ou não justiça, se foi certo ou errado.

Penso que eu comecei essa doações, quando eu ainda morava em Mauá ajudando noivas que me pedindo ajuda por que eu fiz o meu casamento DIY. Doei as coisas que durante quase dois anos eu juntei para fazer o meu casamento e foi assim que comecei a me interessar por realizar os sonhos dos outros, a partir da minha luta para realizar o meu.

Depois disso eu tive a oportunidade de comprar minha primeira casa. Passei de menina que cresceu na periferia e morava em cortiços a mulher feita e que poderia doar toda a mobília do seu apartamento e ainda conseguir mobilhar a casa nova. Tudo só com meu suor e luta, algumas ajudas no caminho, mas a maior parte das porrada eram só minhas, a luta foi longa, mas a vitória

Foi nesse processo de conquista pessoal que eu comecei a fazer as doações que mostro sempre no stories do instagram – de roupas, móveis, livros, remédios e etc. Mas, foi nesse processo que eu reconheci que por muitos anos foram as doações de estranhos que garantiram a comida na mesa lá em casa.

Então não estou fazendo nada além de retribuir o bem que recebi um dia.

Pra encerrrar, são essas histórias que me fizeram doar um vestido de noiva para cada moça que escreveu. Leiam com o coração aberto, estão reproduzidas aqui como foram escritas, sem ajustes ou correções.

Sejam gentis e desejem os melhore votos as noivas 🙂 se eu ganhar bem casado eu divido com vocês no stories!

Oi Lis tudo bem? É a segunda vez que estou escrevendo minha historia, porque a primeira o computador desligou e perdi tudo que eu havia escrito! Mas vamos lá.. com a mesma emoção da primeira vez vou te contar um pouquinho da minha historia. Tudo começou em um momento muito conturbado da minha vida, e depois vim saber que também um momento muito complicado para meu noivo, ou seja, precisávamos mesmo nos encontrar para trazer um pouco de luz na vida do outro. Estava eu com meus 21 anos, cursando uma faculdade que não me deixava feliz e em um trabalho que não me completava, saia para a balada quase todos dos dias da semana e estava deixando meus pais muito preocupados. Eu tinha saído de um relacionamento abusivo que me deixou muito magoada e descrente no amor. Eu trabalhava como Agente de Organização Escolar ( a tia do corredor das escolas públicas sabe..?) no período noturno, que era o mais problemático.. haviam muitos usuários de drogas (que consumiam dentro da unidade escolar), havia alunos com Liberdade Assistida ( que eram alunos que haviam sido detidos mas estavam em liberdade para frequentar a escola), enfim, era bem complicado trabalhar pois os alunos tinham o costume de fazer o que queriam sem “ninguém atrapalhar”. Foi então que criei como estratégia me tornar “amiga” dos alunos mais problemáticos para tentar fazer com que eles se adequassem ao ambiente escolar. Foi nesse momento que eu me aproximei de um grupo de alunos e comecei a convence-los de que a escola não era lugar para certas coisas, e nos tornamos amigos. No final de fevereiro combinamos de ir ao cinema, era uma turma grande e resolvemos trocar telefones para combinar certinho o dia e horário do filme. Durante a semana que escolhemos para ir ao cinema quase todos os alunos desistiram de ir por algum motivo, e na sexta feira restavam apenas eu e o Arthur, um aluno do 1º ano do ensino médio, com 17 anos e 2 repetências, com certeza que iria ao cinema. Decidi então remarcar o cinema para um dia que a maioria pudesse ir e o assunto se encerrou. Mas algo estava diferente, o Arthur continua conversando comigo por sms e pessoalmente… fazia questão de parar e me cumprimentar, agora ele frequentava a escola todos os dias.. Duas semanas depois, adoeci e não iria trabalhar quarta e nem quinta feira. após ir ao medico com uma amiga, recebi um sms do Arthur perguntando como eu estava (ele não sabia que eu estava doente), falei que estava doente e que não iria trabalhar por dois dias, e ele me disse que se eu não fosse trabalhar ele também não iria para a escola!! Mandei mensagem falando que ele deveria sim ir para a escola, que não havia porque ele não ir só porque eu não estaria lá. A resposta dele demorou alguns minutos e veio enigmática… “vou parar de enrolar e falar logo..” Fiquei sem entender o que ele quis dizer e mandei mensagem..” não entendi, como assim parar de enrolar..?”, a resposta veio de imediato! “Quero ficar com você!”. Fiquei sem reação e não sabia o que responder, então ele mandou outra mensagem.. “Podemos nos encontrar?” Minha amiga então pegou o celular da minha mão e respondeu: “Podemos sim, onde?” Eu estava em choque, não sabia o que pensar e nem fazer. ele respondeu: ” na esquina do açai da rio bonito.” Demorei quase 2 horas para tomar coragem e ir encontrar com ele.. mil coisas passam na minha cabeça, ele estudava na escola onde eu trabalha.. era 4 anos mais novo que eu.. não era o tipo físico que me atraia.. enfim.. muitas duvidas estavam na minha cabeça, mas mesmo assim eu fui. Ele me esperou pacientemente por quase duas horas e depois me ouviu falar (sim, eu falo muito.. muito mesmo…) por quase 3 horas, em meio a celular tocando, sms chegando, chamada no rádio.. Ate que o celular tocou por mais uma vez e era minha mãe. Ela já estava muito preocupada comigo e queria saber que horas eu chegaria em casa, disse que já estava a caminho e desliguei o telefone. Olhei para o Arthur, disse que tinha que ir para casa e liguei o carro. Pela primeira vez em cerca de uma hora ele falou…” E você não vai nem me dar um beijo??” Gelei, meu coração disparou.. eu não sabia o que pensar e nem como reagir, minhas palavras estavam engasgadas e só consegui dizer.. ” Beijo não se pede..”, e ele me beijo! Foi um beijo diferente.. um beijo com vontade.. com paixão! Nos despedimos e não paramos de nos falar.. no dia seguinte nos encontramos novamente e nos entregamos um ao outro sem se importar com o mundo lá fora.. conversamos e descobrimos que os dois estão bem magoados com os relacionamentos passados e decidimos que não iriamos nos envolver profundamente, que iriamos nos conhecer.. Depois de uma semana, nos víamos todos os dias e percebemos que precisávamos um do outro, começamos a namorar no dia 21/03/2012, uma semana depois do nosso primeiro beijo. Passamos por alguns problemas na familia.. Eu não podia falar para minha familia que ele tinha apenas 17 anos, a familia dele não gostava que ele estivesse namorando com uma funcionária da escola onde ele estudava e que era mais velha do que ele, a diretora da escola descobriu que estávamos namorando ( nunca ficamos juntos dentro da escola, respeitávamos muito ) e me chamou para falar que ” Isso nunca vai dar certo, você sabe!! Não passa de um passatempo de adolescente” fiquei muito magoada e apenas perguntei se havia visto algo dentro da escola, ela me disse que não e eu então encerrei o assunto dizendo: ” minha vida pessoal diz respeito apenas a mim!”, para piorar um pouco mais a situação eu engordei cerca de 35 kg no começo do nosso namoro, e a família dele que já não gostava do nosso relacionamento começou a me olhar de forma reprovadora, me deixam de lado, não me queriam por perto. Mas ele me amava e me queria da maneira que eu estava, me dizia todos os dias o quanto eu era linda e o quanto ele era feliz por estar comigo. Eu entrei em um período muito difícil, não queria mais sair de casa, me sentia feia e inapropriada, e foi ele quem me deu forças para seguir em frente e mudar a situação. Hoje estamos a 5 anos e 4 meses juntos, sem brigas ou separações, com muito amor e respeito um pelo outro. passamos por preconceitos, dificuldades financeiras, depressão, mas nunca deixamos de nos amar nem por um segundo. Eu mudei de profissão, encontrei o que realmente amo fazer, terminei a faculdade e emagreci.. Ele terminou o ensino médio, se afastou das más companias e hoje cursa o ultimo semestre de faculdade. Nós somos dois guerreiros que ressurgiram do fundo do poço e hoje estamos a caminho de unir nossas vidas e criar uma familia feliz. Esse é só um resumo do que vivemos.. se quiser eu te conto muito mais.. Obrigada pela oportunidade de participar e tentar tornar meu sonho de casar vestida de noiva real.

Oi! Prazer, meu nome é Brendali, e venho com muito orgulho contar um pouco da minha história com meu grande amor Vitor. Eu conheci meu namorido no trabalho, (chamo-o assim devido ao tempo que estarmos juntos e porque estamos morando juntos desde Abril deste ano), o mais engraçado, é que foi o meu primeiro dia de retorno das minhas férias, quando eu saí de férias ele ainda não trabalhava lá, quando eu voltei assim que entrei na Empresa, me deparei com ele no corredor, nosso primeiro contato, olhar profundo, aquela olhada para trás, aquele sorriso radiante, e então já ocorreu aquele interesse, começamos a conversar, e com isso descobrimos que estávamos em uma mesma formatura, no qual ele era acompanhante da prima dele, e eu do meu primo, porém não nos encontramos neste momento, mas ficamos impressionados com este fato e até hoje comentamos sobre. Começamos a namorar oficialmente em 07/05/2010, sim, estamos juntos há sete anos e estamos na luta para realizamos nosso grande sonho do casamento, este sendo planejado há muitos anos, em 2015 com tudo planejado tivemos a mais linda noticia da minha gravidez de gêmeos, vivemos dias muito felizes sonhando, planejando, nos preocupando por ser gêmeos, mas infelizmente no meu primeiro ultrassom, a médica, diga-se de passagem, muito sem coração, disse com essas palavras, “você está grávida de gêmeos, mas você não terá nenhum filho, sua gestação não irá para frente”, e explicou que meu sangue não estava circulando para os fetos, como eu fiquei impactada com a notícia, claro que eu neguei, logo pensei, “como assim grávida de gêmeos e não terei nenhum, não essa médica está errada, tudo vai ficar bem”, passei com o médico, fiz os exames de sangue, fiz novamente a ultrassom em outro hospital, mas infelizmente a médica estava certa e tive que realizar a cirurgia para a retirada dos fetos, como todo relacionamento não é só de alegrias, passamos por este momento juntos, fortes, com o apoio de familiares e amigos, em 2016 estávamos planejando o casamento novamente, porque nosso AP seria entregue no fim do ano, mas mais uma vez o destino nos pegou de surpresa, e infelizmente o melhor homem dá minha vida, aquele quem sempre me acordou com café da manhã na cama desde criança até eu virar adulta, que sempre acordava na madrugada para me dar chá e medicamento quando eu estava doente, quem sempre me deu forças para ser independente e correr atrás dos meus objetivos, aquele quem estava ao meu lado na formatura da oitava série, do terceiro ano, e da faculdade, que graças a Deus eu consegui dar essas alegrias a ele, sim meu amado pai Carlos ficou doente, levei-o ao hospital e depois de muitos e muitos dias, de idas e vindas, foi diagnosticado com câncer no Fígado, Estomago e Pulmão, e veio a falecer em Outubro de 2016, deixando saudades para minha mãe, suas quatro filhas, quatro genros, três netos, duas netas, quatro irmãs, um irmão, etc. e continuamos unidos buscando forças um nos braços do outro, mas tem um lado bonito nessa história, meu pai e meu namorido sempre foram muito próximos, meu pai teve quatro filhas, porém sempre quis ter um menino, mas não conseguiu, quer dizer, não teve com a minha mãe, mas o Vitor meu namorido, mudou isso, enquanto meu pai estava no hospital ganhou o Vitor como filho, pois meu namorido começou a chama-lo de pai, realizando de alguma forma o desejo do meu pai de ter um filho, além disso, mais uma coincidências, ou destino não sei ao certo, meu pai tinha uma marca de nascença na mão na cor roxa, e meu namorido tem essa mesma marca, só posso dizer que Deus é bom em todos os momentos, todos nós passamos por momentos difíceis, temos nossas lutas, tenho muita fé em Deus, e sei que tudo o que acontece tem seu momento certo e um porque, meu pai perdoou quem deveria ser perdoado, amou quem deveria ser amado, cuidou de quem deveria ser cuidado, em fim, cumpriu sua missão e isso é o que me conforta, posso não entender o porque, posso sentir muito sua perda, mas creio que ele esteja em um lugar melhor e olhando por mim, e hoje dedico está oportunidade a ele, me dói não te-lo aqui para entrar comigo no altar, mas me conforta acreditar que ele está e sempre estará olhando por mim, e de alguma forma presente em minha vida. Desde já agradeço a oportunidade e diante de tantas perdas, tive essa alegria de morar com o Vitor a pessoa, que mais me apoiou e apoia até hoje, esse homem que me completa, que me lembra dos meus afazeres, que me conforta na madrugada quando acordo chorando por sonhos que despertam a saudade que sinto do meu pai, que me da forças para seguir em frente e que me ama como ninguém jamais me amou como mulher, em fim, eu creio que devo ganhar o Vestido de casamento numero 2, para termos nosso dia tão esperado e por todos os nossos dias de luta para realizar este sonho, e de tantos planos sendo adiados, precisamos que este plano se concretize, e para isso precisamos da sua ajuda, nada melhor para iniciarmos os preparativos do que ganharmos o Vestido da noiva que é o principal, a data do meu casamento será em 14/04/2018, escolhi está data porque é a mais próxima da data em que meus pais se casaram que foi em 16/04/1977, mais uma formar de ter meu pai comigo. Agradeço novamente pela oportunidade e estamos aguardando ansiosos pelo resultado.

Olá Lis, primeiramente, parabéns a sua atitude tão nobre de poder espalhar esperança e felicidade a outras mulheres, eu te desejo muita luz, muitas alegrias e que Deus possa te rebribuir e abençoar em dobro pois isso que você está fazendo hoje não a preço que pague! Lis, meu nome é Sônaly Michelle e tenho 25 anos. Sou filha mais velha de 6 irmãos e meus pais são autônomos. Hoje sou mamãe de um menino Théo e moro junto com meu noivo Jhonny, na casa dos meus sogros. Lis, seja bem vinda a minha vida!! 😀 Bom, eu e o Jhonny estamos juntos a 5 anos (29/06/12) ele era e continua sendo meu super amigo e foi assim que ele me conquistou, me e apoiando e me e motivando pois estava com início e de depressão, um dia eu o chamei para dançar eu precisava respirar, conversar e ele aí no meio de todo mundo se declarou pra mim! Kkk fiquei sem reação e no outro dia resolvi dar uma chance ao melhor amigo. Nosso relacionamento foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida, não sei te explicar o quanto hoje me considero feliz e forte, mais principalmente viva. Minha vida mudou muito se transformou completamente. Namorados 4 anos e descobrimos, que seríamos papais! A família toda vibrou, nosso filho é muito amado uma criança abençoada! Nesse período fiquei desempregada, mais uma vez a depressão me assombrava, e aí meu namorado convidou para morar com ele e os pais, no começo como tudo não foi fácil me senti uma formiga no aquário, mais tudo deu certo graças a Deus! Com o nascimento do nosso filhinho fomos morar numa kitnet (cozinha e banheiro) e hoje moramos na casa dos meus sogros pois a kitnet ficou pequenininha demais, e aos poucos estamos construindo o sonho da casa própria! Meu marido recentemente me comunicou que a empresa que ele trabalha vai fechar, e se por conta disso tivemos que adiar nosso casamento pela terceira vez, para 16 de setembro agora se Deus quiser e sei que ele quer, iremos ter a benção do pastor e depois vamos comer um bolo com suco aqui em casa pois com os extras que estou fazendo (faxina, babá e venda de docinhos) não consegui realizar o desejado sonho de um vestido de noiva, festa, na verdade nem alianças temos mais Deus sabe que o mais importante é termos um ao outro e principalmente viver o momento da benção com nosso filho ao nosso lado. Sinceramente, não ligo por não ter a festa ou chuva de arroz seria uma grande emoção sim, mais não vou me abalar por isso vou é agradecer por ter conseguido chegar até aqui e rezar para que meu grande dia seja completo de luz e se for dá vontade de Deus com esse vestido maravilhoso. Lis carei completamente radiante em ganhar o vestido, meu coração iria transborda de emoção e eu posso pedir pra minha madrinha fazer os ajustes ela é uma excelente costureira! E prometo que irei lhe mandar fotos da nossa benção e as guardarei com muito carinho pois o vestido irei passar para a próxima noivinha para que ela possa sentir a mesma emoção que eu tenho fé que vou sentir. É uma realização enorme viver esse dia!! Que seja um glorioso dia a todas nós, amém!!

Eu quero muito o vestido número 4 , bom eu e meu noivorido nos conhecemos pela internet, eu do interior do estado ele da capital, namoravamos a distancia e isso nos fazia sofrer, até auê decidimos morar junto, o plano inicial era fazer um casamento simples no cartório e um almoço para os familiares, mas a casa em que nos morávamos estava em péssimas condições e priorizam os por ter um lugar seguro para morar, pois bem a familia inteira se mobilizou foram feitos almoços para arrecadar dinheiro ele fazia horas extras no trabalho e uma pessoa nos ajudou demos entrada em nossa casa, daquelas popular, desde então nosso sonho é casar, ano passado no meu aniversario ele me pediu em casamento, foi muito simples com um anel que ele pudesse pagar, mas foi lindo, romântico e perfeito! Então eu fiquei doente precisei passar por duas cirurgias e mais uma vê tivemos que adiar, agora que melhorei decidimos marcar a data, para o final do ano vai ser simples apenas uma celebração ao ar livre em um lugar perto da nossa casa, e um coquetel para os convidados eu gostaria muito de ganhar p vestido pois não tenho condições de comprar, serei extremamente feliz se o ganhar apenas ele trabalha fora eu trabalho em casa faço doces Paes massas para vender, ainda temos a parcela da nossa casa para pagar w nos sobra quase nada eu queria muito ganhar assim que bati os olhos nele achei lindo me encantei, linda sua atitude parabéns!

 

Me identifico um pouquinho com cada história, desde a fé que mostraram as lutas que viveram. Para vocês Michelle, Brendali, Sonally e Liliane eu desejo mais do que um casamento feliz, desejo uma vida cheia de força e vitalidade para viverem o máximo e melhor que puderem!

Dois vestidos ficam em São Paulo e outros dois vão para o Sul, Paraná e Santa Catarina.

Como combinamos na live: eu peço que vocês que ganharam os vestidos os doem novamente para quem precisa, posso indicar algumas inscritas das cidades de vocês para facilitar a doação. Também se vocês não gostarem dos vestidos podem me mandar de volta que eu doarei para as próximas da minha lista de histórias escolhidas.

Vamos fazer uma corrente do bem com essas doações?

4 In Estilo de Vida

Em ritmo de fuga

Em ritmo de fuga é o nome brasileiro para “Baby driver!”, um dos lançamentos desse mês no cinema.

 – Duas pautas de cinema seguidas porque eu além de amar cinema, eu tô dando muita sorte nos filmes esses tempos.

Só pelo título, já dá um preconceito-zinho, né? Uma versão musical de Velozes e Furiosos? Um filme de sessão da tarde?

Confesso que tenho pré-conceitos com filmes e livros. Mas, por sorte, eu sou sembre aberta para ser surpreendida. Já contei como o livro “A culpa é das estrelas” me surpreendeu e fez eu ir me matar de chorar no cinema?

Em ritmo de fuga é um mix de enredo leve, cenas de ação bem executadas e uma trilha sonora impecável!

Sim, trilha sonora impecável, que aliás estou ouvindo nesse momento e recomendo que vocês façam o mesmo! Clica aqui que tem a lista completa de músicas pra ouvir no Spotify ou Youtube!

Soma com a trilha uma direção de imagem e fotografia que trazem a gente pra dentro cena. São frames com um alinhamento na trilha que faz todo mundo bater os pés-zinhos e balançar a cabeça no ritmo da música.

 

em ritmo de fuga - baby driver

 

Nas cenas, as músicas são parte do diálogo narrativo. Precisa prestar atenção para pegar os “easter eggs”. Como por exemplo, a música dizendo “nenhum lugar para fugir, nenhum lugar para se esconder” quando Baby está preso no meio de uma negociação de armas, mais perdido que cego em tiroteio.

Essa é a pegada do filme, bem ritmado, sem excessos e que usa muito bem o poder do sincronismo para pegar nossa atenção por inteiro. A edição é perfeita nesse sentido, a cartela de cores é final dos anos 80, mas com ares de anos 70, sabem? Cores saturadas, figurino da vergonha que fica lindo nos personagens.

 

Em ritmo de Fuga - cenas

 

Atenção especial ao sincronismo de cores, ritmo e música da cena da lavanderia. Um filmão da porra camuflado em sessão da tarde, diria eu, a empolgada.

Mas, a verdade é que Ritmo de fuga tem uma coisa que eu amo em storytelling que é a força do anti-herói*. A história não é de gente boazinha, sofridinha e blá blá blá… Até tem um pano de fundo que nos faz ter identificação ali no contexto, mas é de gente com culhões, entende?

*Se você gosta de escrita pesquise sobre monomito pra entender como nascem os bons enredos de filme, livros, novelas e etc.

 Se isso não bastar o elenco vai te convencer. Sério! Temos atuações pontuais mas, muito bem colocadas em cada cena.

Kevin Spacey, o Doc, quando aparece dita a cadência “anti-herói” da trama, a gente não pega simpatia pelo personagem dele, mas quase… Já Jammie Fox, o Bats, eu amei odiar com força! Fecho com o Jon Hamm, o Buddy, eterno Dom Draper de Mad Men que é lindo tiozão e subiu na minha avaliação ao longo do filme.

Esses que citei nem são os protagonistas, tá?

O Baby driver, é Ansel Elgort, falei da culpa é das estrelas, né? Fofo, cara de bebê mesmo e atuação fofa também, você não pega oódio, nem amor, mas no final você gosta dele. Com um pouco menos de destaque no filme temos Lily James, a Cinderella, como Debora.

em ritmo de fuga - poster

 

O desfecho me agradou muito, muito! Como sigo uma política de SEM SPOILERS nas resenhas do blog eu deixo pra vocês assistirem, mas eu gostei da trama, enredo e narrativa do começo ao fim!

A trilha sonora foi construída como parte do enredo e narrativa do filme, por isso casam tão bem, indico a leitura dessa reportagem na Esquire onde o diretor e escritor do filme fala das referências musicais com detalhes.

Em ritmo de fuga prova que filmes de ação com um ritmo acelerado podem ser escritos com inteligência sem sacrificar emoções.

Deixo o link de uma resenha mezzo negativa sobre o filme do PopSugar pra dar o contra ponto, mas as avaliações no Rotten Tomatoes estão ~na média~:

em ritmo de fuga - baby driver - rotten tomatoes

5 In Estilo de Vida

Os meninos que enganavam nazistas

Os meninos que enganavam nazistas é a história real e autobiográfica dos irmãos judeus Joseph e Maurice.

Essa é a segunda versão em longa metragem do best seller “Un Sac de Billes”. Lançada quarenta anos depois da primeira adaptação do livro de Joseph Jollo.

O filme tem atores excelentes, especialmente os protagonistas de 17 e 12 anos de idade. Não é um relato excessivamente melodramático de uma história que é emotiva por si só.

A profundidade emocional que eu vou descrever aqui tem mais a ver com a minha experiência pessoal.

Gosto que o peso do filme está mais na visão de vida que um menino de 10 anos tinha, do que na “aventura” dos dois irmãos.

Os meninos que enganavam nazistas é um retrato maduro e equilibrado também da sensação de perda inerente aquele momento tenebroso da sociedade. e como pano de fundo fundamental temos valores como fé, esperança e caráter em meio a sobrevivência da ocupação nazista.

É um filme difícil de assistir tendo em mente que muitas famílias viveram aquilo na pele, mas ao mesmo tempo o filme mantém uma inocência e vulnerabilidade incrivelmente tocantes.

Isso que amo no cinema e na vida! Nossa experiência pessoal e abertura é que ditam o tom do que nos puxa o coração e as lições que vamos tirar.

Podemos ver esse filme, como uma fórmula padrão ao tema do nazismo: o cruel oficial alemão, o lutador da resistência e o odioso colaborador francês. Ou como, uma lição de vida real, de seres humanos que viveram aqueles momentos e crescer, um pouquinho, com a história.

É um filme pra assistir com o coração e a mente abertos para tomar muita porrada, viu?

A narração de Joseph começa em 1941 e conta com preciosismo como ele, aos 10 anos e Maurice, aos 12, sobreviveram sozinhos ao período mais brutal do nazismo na França. O filme é fiel ao livro e ao sentimento que o caçula dos irmãos relatou no seu texto intenso e terno ao mesmo tempo.

É um filme sensível com uma fotografia que foca não no terror da guerra, mas na visão de uma criança de 10 anos. As imagens com efeito lomográfico são ricas em cores sem perder o ar vintage e até nostálgico. Tanta sensibilidade não se perde ou diminui os momentos de retratar o que foi o pior da humanidade naqueles dias tão hostis.

Os diálogos em francês e alemão me deram uma sensação de dualidade de sentimentos, que imagino que Joseph e Maurice viviam. A maior parte das falas são em francês, a língua falada na casa dos Joffo e que soa mais doce mesmo, maternal. Já as falas em alemão, são duras, ríspidas e secas como as agressões sofridas pelos dois.

No último ano convivi com dois chefes franceses e um colega alemão que associei com essa dualidade. Ludovic e Stephan falando em francês, com o tom sempre charmoso me remetiam a algo leve. Mesmo em meio a acaloradas discussões, o francês me parece doce. O Harald é o alemão mais fofo que conheci na vida. Quando ele falava em alemão, a dureza da fonética parecia que não combinava com a sua personalidade bonachona. Entendem?

Apaixonada por línguas que sou, mergulhei nos diálogos e por quase duas horas não me mexi na poltrona de tanto encantamento. Precisei segurar, um pouqinho, as lágrimas também.

os meninos que enganavam nazistas dr rozen

“Se continuar lutando, segurando assim a vida em sua mão, você conseguirá.”

Mais do que uma narrativa verídica de fatos que nós, humanidade, não devíamos nunca deixar acontecer, a história d’Os meninos que enganavam nazistas fala dos principais valores que um ser humano deve manter em si.

Não é um filme fofo, a gente está ali vendo na telona um sofrimento sobre-humano que duas crianças viveram, de verdade. Mas, essas duas crianças mantiveram sentimentos e valores tão nobres que me engasga.

Muito homem feito, por bem menos, se corrompe.

Uma das porradas mais fortes que a história me deu foi o questionamento do quanto a sorte ou destino está nas nossas mãos. O quanto escolhemos fazer, ou não, o que é certo em meio ao sofrimento é o que determina a nossa vida e a do próximo. Por menor que seja a nossa ação ela pode ser responsável pela vida ou morte de alguém.

Essa escolha e responsabilidade naquele tempo de guerra, mostra ainda além. Mostra que se manter fiel ao caráter e fazer o que é certo (ou não) é também assumir as consequências disso até o final.

Atenção especial à história do Doutor Rozen e da família Mancelier, que cruzaram a vida dos meninos em situações distintas, mas igualmente marcantes.

Essa história traz uma lição forte sobre ser família, sobre o sentimento genuíno de lealdade aos que dividem a vida conosco. No relato gentil dos ensinamentos do seu pai Roman, mesmo duros e sofridos, Joseph mostra o que é ser família na provação do sofrimento.

São duas crianças não perderam de vista os valores morais, o caráter, a fé e a esperança mesmo que sobrevivendo só de lembranças de casa, da memória do avô e da vontade verdadeira de se reencontrar e de viver.

Tudo isso em meio aos sofrimentos dos mais sombrio que o ser humano possa ser submetido.

Nas cenas finais eu tive um banho de ternura que me fez soltar um sorriso largo, ali no fundo do cinema, cheio de esperança. O que tornou o final do filme feliz, mesmo que não seja o final feliz perfeito. Afinal, é um filme baseado em fatos reais e não um conto de fadas.

os meninos que enganavam nazistas - rotten tomatoes

 

O filme estreia dia 03 de Agosto e merece ser visto, a avaliação no Rotten Tomatoes é de 90%, um score alto de avaliações positivas.

Paris Filmes, obrigada pelo convite <3

2 In Estilo de Vida

Dicas para comprar roupas na liquidação!

Mores, esse post completa uma série de stories que eu fiz falando sobre compras e renovação do meu guarda roupa depois de perder +15kg e diminuir 4 tamanhos no manequim. Se você não segue o Instagram do blog deveria, porque além de mostrar minha vida real eu ainda lanço altos papos cabeça com a mulherada 🙂

Antes de dar minhas dicas para comprar roupas na liquidação, eu preciso te alertar que faz um ano que todas as lojas vivem com liquidação, promoção e etc.

Graças a crise financeira, o comércio precisou usar das placas de liquidação pra atrair pessoas. Mas, veja bem, não é só porque tem uma placa de liquidação que vale a pena, tá?

Dica 1: Pesquisar bem os preços é ideal, sabemos que metade do dobro rola muito aqui na terrinha né?

Eu não sou consumista, nem mão de vaca, me considero bem econômica com supérfulos. Por isso, eu decidi esperar para renovar meu guarda roupa quando já tivesse emagrecido tudo que poderia e tivesse dinheiro sobrando na conta.

Eu decidi gastar um BOM dinheiro em roupas entre Junho e Julho porque eu sabia que ia comprar roupas em dois tipos de liquidação: a saída das peças de verão e entrada do inverno.

Mas, antes de comprar roupas na liquidação eu reformei as roupas que foram possíveis pra reaproveitar, doei tudo que poderia ser usado e guardei dinheiro pra comprar a vista.

Sério não dava mais pra usar calças 44/46 com manequim 38 😀 até usei com cintos, mas tava feio demais – legging e roupa de academia viraram meus aliados pra não andar pelada na rua.

Dica 2: analise seu armário e pegue ideias ou referências antes de ir as compras.

Eu confesso que não gosto de ir no shopping pra ficar batendo perna e procurando coisas sem rumo. Por isso, antes de ir as compras nas liquidações eu olhei meu guarda roupa e busquei inspirações na internet para saber o que eu precisava/poderia comprar para completar meu armário.

No meu caso, eu precisei comprar desde os básicos: lingerie, calças e blusas, por conta do emagrecimento. Mas, veja o que você precisa mesmo ou quer para comprar e completar seu armário.

No Pinterest tem ideias ótimas de looks

Dica 3: Pense em Qualidade x Uso x Preço

Quando vou comprar roupas eu sempre penso em quantas vezes vou usar aquela peça. Se usarei no trabalho, para sair ou um evento específico. Quanto mais eu for usar a peça (trabalho/sair) mais eu invisto.

Uma roupa de menor qualidade vai durar menos, por isso não vale pagar caro nela. Olhar bem tecidos e padronagens (que não vão enjoar ou sair de moda) ajuda a decidir quanto pagar por cada peça.

Por exemplo: comprei nas liquidações de verão alguns vestidinhos e saias de malha fina. Eu posso usar com meia calça no inverno e com bermudas no verão.

Nessas peças eu paguei entre R$ 29 e R$ 49 realidades, são de tecido sintético e sei que a qualidade é menor. Mas, são peças que vão completar um ou outro look, entendem?

Comprei uma ou duas com tecido ajustado e natural, outras de tecido sintético. Mas, tudo num valor mais acessível.

Já nas calças e casacos que comprei eu escolhi por qualidade e não liguei muito para o preço. Eu uso calça jeans/social/sarja todo dia e os casacos que tenho duram anos, no meu caso vale investir!

Minha regra foi:

Liquidação de verão = pagar menos em peças complementares. Liquidação de inverno = pagar mais em peças principais

Dica 4: Experimentar e combinar!

No meu caso essa dica não conta, eu comprei 100% online esse mês. Se você curte entrar em lojas e provadores você já tem mais uma coisa que facilita a vida: experimentar. Pegue as peças e monte looks, veja o que funciona no seu corpo. Pense em quais combinações você pode montar com as peças que tem em casa e a que você está experimentando.

Nem sempre aquele casaco lindo das blogueiras, que está pela metade do preço na liquidação vai ficar lindo em você ou combinar com as peças que você tem. Pode não valer o preço comprar uma roupa que você vai usar pouco, só por estar na moda.

Dica 5: Saia com dinheiro contado ou seja muito FIEL ao seu orçamento.

Só vale comprar nas liquidações assim para renovar o armário, sabendo quanto você pode gastar e respeitando seu limite.

Como eu comprei tudo online eu determinei quanto eu ia gastar. Pesquisei tudo, olhei os sites, depois fui comprando e pagando no boleto. Deixo meu cartão de crédito para outros tipos de compras 🙂

Dica plus: eu AMO comprar online, 80% das compras que faço – seja para casa, gatos ou carro – são online, por isso eu uso o Meliuz que me dá retorno em dinheiro em várias lojas  – não é jabá, mas poderia 🙂

4 Dicas para escolher e comprar roupas na liquidação:

  1. Veja a composição do tecido, quanto mais fibra natural melhor.
  2. Peças clássicas e básicas sempre são bons achados em liquidação.
  3. Só compre acessórios e roupas mais diferentonas se o valor for muito bom e se você tiver certeza de que vai usar muito.
  4. Nunca compre peças muito grandes ou pequenas só para aprovietar o preço. O ajuste pode não compensar e a peça pode ficar encostada no armário.

Tem outro texto aqui no blog com tudo sobre como aproveitar promoções no geral 🙂